domingo, 20 de maio de 2012

"À pancada da onda contra a pedra hostil" - Poema de Pablo Neruda


(Praia de Isla Negra, Chile)



À pancada da onda contra a pedra hostil


À pancada da onda contra a pedra hostil 
a claridade rebenta e decreta a sua rosa 
e o círculo do mar reduz-se a um cacho, 
a uma gota única de sal azul que tomba. 

Oh radiante magnólia desatada na espuma, 
magnética viageira cuja morte floresce 
e eternamente volta a ser e a não ser nada: 
sal destruído, ofuscante agitação marinha. 

Juntos, meu amor, selamos o silêncio, 
enquanto o mar destrói suas estátuas perenes 
e derruba as suas torres de êxtase e loucura, 

porque na trama destes tecidos invisíveis 
da água desenfreada, da incessante areia, 
mantemos a perseguida e única ternura. 


Pablo Neruda, in "Cien Sonetos de Amor"



Biografia de Pablo Neruda (1904/1973)


Pablo Neruda (Parral, 12 de Julho de 1904 — Santiago, 23 de Setembro de 1973) foi um poeta chileno, bem como um dos mais importantes poetas da língua castelhana do século XX e cônsul do Chile em Espanha (1934 — 1938) e no México.

Pablo Neruda



Nascido em Parral, em 12 de julho de 1904 (porém viveu a infância em Temuco) como Ricardo Eliécer Neftalí Reyes Basoalto, filho de José del Carmen Reyes Morales, um operário ferroviário, e de Rosa Basoalto Opazo, professora primária, morta quando Neruda tinha apenas um mês de vida. Ainda adolescente adotou o pseudónimo de Pablo Neruda que utilizaria durante toda a vida, tornando-o legalizado, após ação de modificação do nome civil. A escolha qufez destpseudónimo, já espelha, claramente, a sua enormpaixão pela Poesia: Paul Verlaine foi um importantpoeta francês do século XIX, cuja obra era muito admirada pelo Chileno, e Jan Neruda, um poeta checo, também do século XIX, igualmentpor si muito apreciado.
Em 1921 radicou-se em Santiago e estudou pedagogia em francês na Universidade do Chile, dando início à composição de seus poemas, obtendo o primeiro prémio da festa da primavera com o poema “A Canção de Festa”. Foi lançado pela Editorial Nascimento “Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada”. Seus poemas tomariam rumo modernista em 1936 com a publicação de três livros: “O Habitante e Sua Esperança” “Anéis” e “Tentativa do Homem Infinito”.
Em 1927, inicia a carreira diplomática quando é nomeado cônsul em Rangum, na Birmânia. Conhece o poeta Federico Garcia Lorca e Rafael Alberti e em 1935, dirige a revista Cavalo verde para a poesia.
É a vida de diplomata, que lhe proporciona contactos e encontros com muitas pessoas importantes no mundo cultural, e que também lhe vai permitir conhecer Delia del Carril, 20 anos mais velha que ele, oriunda de uma abastada família de fazendeiros Argentinos, e possuidora de uma larga experiência na cena internacional.
Pablo Neruda, que se casara em 1930, em Batávia, com Maria Antonieta Hagenaar, e de quem se divorciaria em 1936, apesar do êxito que tinha em círculos prestigiados, mas de algum modo restritos, não conseguia que a sua obra se publicasse com a repercussão que merecia.
Foi pois o mundo de relações e a inteligência da pintora Delia del Carril, que o conseguem tornar conhecido e familiar junto de todos os seus contactos.
É também Delia del Carril, que compra para Pablo Neruda o embrião da hoje mundialmente célebre casa de Isla Negra. Contudo, não foi Delia que partilhou com Neruda este autêntico "ninho de amor".
Tal aconteceu com uma cantora chilena, chamada Matilde Urrutia, que em tempos foi contratada para trabalhar na casa do casal, em Santiago do Chile, a fim de tratar do poeta, que recuperava de um acidente de automóvel. Neruda, apesar de continuar casado com Delia del Carril, casamento esse que tivera lugar em 1946, inicia a grande paixão da sua vida com Matilde, acabando por se divorciar de Delia, em 1955.
Em 1936, eclode a Guerra Civil espanhola; Neruda é destituído do cargo consular e escreve Espanha no coração. Em 1945 é eleito senador. No mesmo ano, lê para mais de 100 mil pessoas no Estádio do Pacaembu em homenagem ao líder comunista Luís Carlos Prestes.
Em 1950 publica Canto Geral, em que sua poesia adota intenção social, ética e política. Em 1952 publica Os Versos do Capitão e em 1954 As uvas e o vento e Odes Elementares.
Em 1939, enquanto morava em Paris, Neruda foi nomeado cônsul para a emigração espanhola, e, pouco depois, Cônsul Geral no México, onde reescreveu seu Canto Geral de Chile, transformando-o num poema épico sobre o continente sul-americano inteiro, a sua natureza, seu povo e seu destino histórico. 
Em 1953 constrói sua casa em Santiago, apelidada de “La Chascona”, para se encontrar clandestinamente com sua amante Matilde Urrutia,  a quem havia dedicado Os Versos do Capitão e a qual se tornou sua 3ª e última esposa.
 Em 1958 apareceu Estravagario com uma nova mudança em sua poesia. Em 1965  foi-lhe outorgado o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Oxford, Grã-Bretanha. Em outubro de 1971 recebeu o Nobel de Literatura. Após o prémio, Neruda é convidado por Salvador Allende para ler para mais de 70 mil pessoas no Estadio Nacional de Chile.
Durante as eleições presidenciais do Chile nos anos 70, Neruda abriu mão de sua candidatura para que Allende vencesse, pois ambos eram marxistas e acreditavam numa América Latina mais justa o que, a seu ver, poderia ocorrer com o socialismo. De acordo com Isabel Allende, em seu livro Paula, Neruda teria morrido de "tristeza" em setembro de 1973, ao ver dissolvido o governo de Allende. A versão do regime militar do ditador Augusto Pinochet (1973-1990) é a de que ele teria morrido devido a um cancro da próstata. No entanto, fontes próximas, como o motorista e ajudante do poeta na época, Manuel Araya, afirmam com insistência que o poeta teria sido assassinado, estando a própria justiça do Chile a contestar a versão oficial sobre a sua morte.
Por curiosidade, é dnotar, quapós o sangrento golpdestado dPinochet, em 11 dSetembro d1973, a ditadura mandou destruir La Chascona, e a outra casa, La Sebastiana, em Valparaíso, também foi pilhada e vandalizada. Quando o regime ditatorial executou mais estes actos de barbárie, já Pablo Neruda alcançara renome mundial, fundamentalmente como poeta, e tinha um extenso passado político.
O escritor Chileno não possui somente uma obra poética magnífica, tem também uma vida muito rica e interessante.

Fontes:
Pablo Neruda e Matilde Urrutia, a sua grande paixão

Matilde e Neruda encontraram-se num concerto ao ar livre, na Cidade do México. Ambos eram comprometidos. Ele casado e ela envolvida com sua carreira de cantora lírica internacional.
Ao reencontrarem-se em 1949, quando se iniciava a permanência do poeta no exílio, o amor floresceu. Uma espécie de casamento secreto ocorreu em Cannes, tendo como testemunha "somente a luz da lua".
Logo no início da relação, Neruda inventou um nome secreto para Matilde: "Rosário de la Cerda" - a ela foram dedicados os "Versos do Capitão".
Foi fundamental a presença de Matilde na vida de Neruda. Os anos que lhe restaram na companhia, agora oficial, da amada definitiva, são pontuados por uma nova grande onda de criatividade: escreveu, fundou e dirigiu uma revista, construiu uma nova casa em Valparaíso e continuou suas viagens.
O livro cem sonetos de amor é dedicado à Matilde, que foi o grande amor de Neruda. Ele fala da sua mulher, carinhosamente em suas memórias assim: 

"Matilde Urrutia, minha mulher. 
Minha mulher é da província como eu. Nasceu numa cidade do Sul, Chillán, famosa de maneira feliz por sua cerâmica camponesa e de maneira desgraçada pelos seus terríveis terramotos. Ao falar-lhe disse tudo em meus "Cem sonetos de amor". 
Talvez esses versos definam o que ela significa para mim. A terra e a vida nos reuniu. 
Ainda que isto não interesse a ninguém, somos felizes. Dividimos nosso tempo comum em longas temporadas na solitária costa do Chile. Não no verão porque o litoral, ressequido pelo sol, mostra-se então amarelo e desértico; mas no inverno sim, quando uma estranha floração se veste com as chuvas e o frio, de verde e amarelo, de azul e purpúreo. Algumas vezes subimos do selvagem e solitário oceano para a trepidante cidade de Santiago, na qual juntos padecemos com a complicada existência dos demais. 
Matilde canta com voz poderosa as minhas canções. 
Dedico-lhe tudo que escrevo e tudo que tenho. Não é muito mas ela está contente. 
Diviso-a agora como afunda os sapatos minúsculos no barro do jardim e depois também afunda suas mãos minúsculas na profundidade da planta. 
Da terra, com pés e mãos e olhos e voz, trouxe para mim todas as raízes, todas as flores, todos os frutos fragrantes da felicidade.” (Pablo Neruda, Confesso que vivi, op cit. p. 277/278)


Santiago-Chile, cidade onde fica a casa La Chascona


Cercada pela Cordilheira dos Andes, a capital chilena é uma das cidades mais modernas da América do Sul. Entre seus atrativos estão inúmeros parques, museus, igrejas e uma intensa vida noturna. 
O Chile é um país estreito situado na costa do oceano Pacífico fazendo fronteiras com o Peru, Bolívia e Argentina. Sua língua oficial é o espanhol e sua moeda o peso chileno. A população é mestiça de europeus e indígenas cujas tradições são cultivadas em algumas partes do país. 
Os chilenos são muito agradáveis e hospitaleiros com todos os estrangeiros tornando o passeio pelo país bastante agradável. 
Santiago está a 520 metros de altura, próximo à Cordilheira dos Andes sendo a principal cidade do Chile a nível comercial e cultural. No verão, quando a temperatura média é de 22ºC, a cidade torna-se mais tranquila, os moradores aproveitam para visitar as praias banhadas pelo oceano Pacífico, principalmente os balneários de Vina del Mar e Valparaíso. 

No inverno, a temperatura fica poucos graus acima de zero, o que dá à cidade novo atrativo, tornando-a ponto de partida para as estações de esqui. 
Na segunda metade de novembro realiza-se a Feira Internacional do Vinho do Hemisfério Sul. É a maior festa de Santiago e dela participam produtores de todo mundo. 
O vinho chileno é considerado pelos especialistas um dos melhores do mundo, graças ao clima ideal para o plantio da uva. Na periferia de Santiago há vinícolas que mantêm programas de visitas com direito a degustação e acompanhamento de guias especializados 
O Mercado Central é uma boa opção para conhecer restaurantes especializados em peixes e frutos do mar, pela qualidade e variedade de ofertas, garantidas pela proximidade do mar e pela corrente de água gelada que banha o litoral chileno. 
Santiago foi fundada em 1541 pelo conquistador espanhol Pedro Valdívia e chegou a sua independência em 1818 se tornando capital da nação. Santiago possui muitas atrações como o Museu de História Natural com coleções pré-colombianas, o Museu de Arte Contemporânea e o Museu de Solidariedade de Salvador Allende com criações contemporâneas de diversos artistas do mundo. 
Mas seu maior tesouro está nos parques e suas paisagens maravilhosas próximo à Cordilheira dos Andes. Um dos lugares próximos a Santiago é O Monumento Natural de El Morado.


La Chascona

La Chascona, localiza-se na base do Cerro San Cristóbal, na zona central que envolve o jardim zoológico da Capital, e foi assim baptizada por Pablo Neruda numa alusão clara a Matilde - chasca é uma palavra da Língua Quechua muito popular no Chile, que significa "cabelo emaranhado", sendo esta a raiz da ligação com a sua mulher.

La Chascona lembra um navio


La Chascona


La Chascona, taças coloridas


La Chascona


Matilde por Rivera, La Chascona 


A casa foi uma de suas três casas no Chile, as outras estão em Isla Negra e Valparaíso. 


Isla Negra

Isla Negra, oceano pacífico


Isla Negra


Isla Negra fica na região de Valparaíso, ou seja, é cercada pelo Oceano Pacífico, fazendo com que a Arquitetura da Casa de Pablo Neruda ganhe ainda mais destaque.


 Isla Negra

Neruda comprou a casa em Isla Negra de um velho capitão socialista espanhol aposentado, que estava construindo para morar com sua família. Como apenas metade da casa estava construída, o poeta poderia terminá-la a seu gosto, tarefa essa que exerceu com maestria em parceria com o arquiteto catalão Germán Rodriguez Arias e posteriormente com o também arquiteto Sergio Soza.



“La costa salvaje de Isla Negra, con el tumultuoso movimiento oceánico, me permitía entregarme con pasión a la empresa de mi nuevo canto… "(Pablo Neruda)



"La casa … No sé cuando me nació.. Era a media tarde, llegamos a caballo por aquellas soledades … Don Eladio iba delante, vadeando el estero de Córdoba que se había crecido …Por primera vez sentí como una punzada este olor a invierno marino, mezcla de boldo y arena salada, algas y cardos…Aquí, dijo don Eladio Sobrino (navegante) y allí nos quedamos. Luego la casa fue creciendo, como la gente, como los árboles.” (Pablo Neruda)







Casa de Pablo Neruda em Isla Negra

Locomotiva

Logo na entrada da Casa/Museu encontra-se um modelo antigo de uma locomotiva em perfeito estado de conservação, chamando a atenção ao gosto do poeta por colecionar objetos de valor histórico e sentimental de sua vida. Ainda na parte externa da casa, nota-se a presença de uma grande roda sustentando e enfeitando a entrada da casa em formato de torre com resquícios da arquitetura mediterrânea europeia onde tem o piso forrado por conchas.







Mascarones

Passando por esse caminho, chega-se à Sala que conserva uma coleção impressionante de Mascarones (em espanhol) ou mascarão, que são máscaras confeccionadas em madeira utilizadas para decorar as proas dos navios, em formato de donzelas, piratas, índios, anjos entre outras, das quais Neruda encontrava atracadas na praia próxima a sua casa, tornando-as parte da decoração.




Seguindo o roteiro turístico, vai-se ao Comedor, ou Sala de Jantar, onde ainda se encontram alguns mascarones e também uma escultura em madeira de uma Nossa Senhora. Nada consegue ofuscar a vista do mar, percebida por uma grande janela onde a paisagem pode ser apreciada por completo no seu melhor ângulo.


Quarto de Pablo Neruda e Matilde




No piso superior encontra-se o dormitório do casal Neruda onde a cama se encontra de frente a uma janela-mirante que faz um ângulo de 90º, pegando de quina à quina das paredes.




“El océano Pacífico se salía del mapa. No había dónde ponerlo. Era tan grande, desordenado y azul que no cabía en ninguna parte. Por eso lo dejaron frente a mi ventana”. (Pablo Neruda)






Do lado de fora, encontra-se um barco pesqueiro atracado, onde Neruda pretendia levar seus amigos para tomar um bom vinho chileno e discutir diversos assuntos na praia, mas na realidade velejou apenas uma vez com esse intuito.




Mas para não perder a simbologia, ao lado do barco, colocou uma torre de sinos que sempre tocava quando chegava a Isla Negra, fazendo alusão à chegada dos marinheiros.




Bar


 Também nesse ideal de confraternização entre amigos, Neruda construiu um bar onde homenageou cada um deles colocando seus nomes nas vigas estruturais.










A casa de Isla Negra guarda a magia dos 3.500 objetos de todo o mundo, reunidos por Neruda e espalhados pelos diversos cómodos. São obras de arte, peças de artesanato, quadros, gravuras, fotos, búzios, garrafas, mapas, instrumentos de navegação. Neruda não se considerava um colecionador, mas alguém que gostava de coisas e de acumulá-las.




Cavalo em tamanho real


O restante da casa, são aposentos feitos especialmente para abrigar as coleções excêntricas do poeta, dentre elas estão: réplicas de veleiros, máscaras orientais e incas, barcos dentro de garrafas (dispostos numa estante em frente a janela, dando a impressão que os barquinhos estão velejando no mar!!), conchas, dente de uma baleia cachalote, sapatos antigos, bússolas, besouros e borboletas empalhados, brinquedos da sua infância, cachimbos, tapeçarias de Nicolau Copérnico, globos terrestres, instrumentos musicais, até um cavalo feito em tamanho real que fazia parte de um comércio falido da época de infância de Neruda.










A casa de Isla Negra compõe um cenário extremamente propício para a composição de poemas, músicas, histórias além de oferecer uma qualidade de vida sem igual, com a paz da natureza. Não é a toa que o poeta pediu em seu poema “Disposiciones” para ser enterrado nesta casa: 

“Compañeros, enterradme en Isla Negra, / frente al mar que conozco, a cada área rugosa de piedras/ y de olas que mis ojos perdidos/ no volverán a ver…”




Pablo Neruda morreu em Santiago em 23 de setembro de 1973, poucos dias depois do golpe militar que derrubou o governo de Salvador Allende, mas deixou para o mundo todo um legado de poemas sem igual, além de suas casas que registam como funciona a mente de um ser humano sensível e genial.

Sempre fiel ao companheiro, a quem sobreviveu doze anos, Matilde dedicou o resto da vida a cuidar do património poético e espiritual do poeta.


Túmulo de Neruda e Matilde

Sendo das suas 3 casas a favorita, foi nestes jardins com vista para o mar que escolheu ser sepultado ao lado da esposa Matilde.








O túmulo de Neruda e Matilde fica nos jardins da casa de Isla Negra, de frente para o azul gelado do Pacífico.


Pablo Neruda e Matilde Urrutia


"Edifiquei minha casa como um brinquedo e brinco nela da manhã à noite." 

(Pablo Neruda)



Rod Stewart - I don't wanna talk about it


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...