segunda-feira, 16 de julho de 2012

"Viagens na minha terra" - Poema de António Nobre


Viagens na minha terra
 

Às vezes, passo horas inteiras
Olhos fitos nestas braseiras,
Sonhando o tempo que lá vai;
E jornadeio em fantasia
Essas jornadas que eu fazia
Ao velho Douro, mais meu Pai.

Que pitoresca era a jornada!
Logo, ao subir da madrugada,
Prontos os dois para partir:
-Adeus! adeus! é curta a ausência,
Adeus! - rodava a diligência
Com campainhas a tinir!

E, dia e noite, aurora a aurora,
Por essa doida terra fora,
Cheia de Cor, de Luz, de Som,
Habituado à minha alcova
Em tudo eu via coisa nova,
Que bom era, meu Deus! Que bom!

Moinhos ao vento! Eiras! Solares!
Antepassados! Rios! Luares!
Tudo isso eu guardo, aqui ficou:
Ó paisagem etérea e doce,
Depois do Ventre que me trouxe,
A ti devo eu tudo que sou!

No arame oscilante do Fio,
Amavam (era o mês do cio)
Lavandiscas e tentilhões...
Águas do rio vão passando
Muito mansinhas, mas, chegando
Ao Mar, transformam-se em leões!

Ao sol, fulgura o Oiro dos milhos!
Os lavradores mais os filhos
A terra estrumam, e depois
Os bois atrelam ao arado
E ouve-se além no descampado
Num ímpeto aos berros: - Eh! bois!

E, enquanto a velha mala-posta,
A custo vai subindo a encosta
Em mira ao lar dos meus Avós,
Os aldeões, de longe, alerta,
Olham pasmados, boca aberta...
A gente segue e deixa-os sós.

Que pena faz ver os que ficam!
Pobres, humildes, não implicam,
Tiram com respeito o chapéu:
Outros, passando ao nosso lado
Diziam: "Deus seja louvado!"
"Louvado seja!"
dizia eu.

E, meiga, tombava a tardinha...
No chão, jogando a vermelhinha,
Outros vejo a discutir.
Carpiam, místicas, as fontes...
Água fria de Trás-os-Montes
Que faz sede só de se ouvir!

E, na subida de Novelas,
O rubro e gordo Cabanelas
Dava-me as guias para a mão:
Isso... queriam os cavalos!
Que eu não podia chicoteá-los...
Era uma dor de coração.
Depois cansados da viagem,
Repoisávamos na estalagem
(Que era em Casais, mesmo ao dobrar...)
Vinha a Sr.ª Ana das Dores
"Que hão de querer os meus Senhores?
Há pão e carne para assar..."

Oh, ingénuas mesas, honradas!
Toalhas brancas, marmeladas,
Vinho virgem no copo a rir...
O cuco da sala, cantando...
(Mas o Cabanelas entrando,
Vendo a hora: "É preciso partir".)

Caía a noite. Eu ia fora,
Vendo uma estrela que lá mora,
No Firmamento Português:
E ela traça-me o meu fado
"Serás Poeta e desgraçado!"
Assim se disse, assim se fez.



"Viagens na Minha Terra", in



Rio Douro, ponte D. Luís - Porto


Rio Douro, Vila Nova de Gaia


Rio Douro, cidade de Vila Nova de Gaia e cidade do Porto


Vila Nova de Gaia é um município português no Distrito do PortoRegião Norte e sub-região do Grande Porto. Pertence ainda à Grande Área Metropolitana do PortoA cidade está localizada na margem sul da foz do rio Douro. As caves do famoso vinho do Porto ficam localizadas neste concelho. Formada originalmente a partir de duas povoações distintas, Gaia e Vila Nova, foi elevada a cidade a 28 de Junho de 1984. 
A ligação à cidade vizinha do Porto é particularmente forte, e não apenas através da partilha do património comum do Vinho do Porto: no passado as famílias burguesas e nobres do Porto tinham em Vila Nova de Gaia quintas e casas de férias. Devido ao forte crescimento económico e melhoria das comunicações com a margem norte nas últimas décadas, Vila Nova de Gaia progressivamente acolheu população que trabalha diariamente no Porto. Diversas opiniões apontam no sentido de fundir estes concelhos.
Com 168,7 km² de área é o maior concelho do Grande Porto. Subdividido em 24 freguesias, está limitado a norte pelo município do Porto, a nordeste por Gondomar, a sul por Santa Maria da Feira e Espinho e a oeste pelo oceano Atlântico. Este contexto permite-lhe ser um concelho de grandes contrastes, entre zonas interiores, rio e mar, bem como entre áreas urbanas, industriais e rurais.
Em termos aquíferos para além das marcantes orla atlântica e a zona fluvial do Douro, atravessam o concelho inúmeras ribeiras. Destaca-se ainda o rio Febros, que atravessa as freguesias de Pedroso e Avintes.
A localização na margem do rio Douro possibilitou a fixação de populações desde remotos períodos, pensando-se que as origens da cidade remontem possivelmente a um Castro celta, tendo sido também ocupada por Romanos (apelidada na altura de “Cale”) e pelos Mouros, embora não por muito tempo. 
O grande desenvolvimento da cidade de Vila Nova de Gaia dá-se no século XVIII, com a instalação dos famosos Armazéns do Vinho do Porto que já na época era uma muito importante indústria no norte do País. Hoje, Vila Nova de Gaia é o principal centro de produção do vinho do Porto, com o centro da cidade dominado pelos armazéns das marcas mais famosas, com mais de 50 companhias, alojados em edifícios de característicos telhados vermelhos. Uma visita a uma das muitas Caves aqui existentes é imprescindível para melhor conhecer e apreciar este prestigiado vinho, único no mundo. 
Igualmente aprazível é a Costa da região, destacando-se diversas praias e bonitos panoramas. 
Uma visita ao Cais de Gaia proporciona agradáveis momentos de lazer, nesta área turística de esplanadas, restaurantes e bares, com vista para a zona histórica da cidade do Porto, no local onde durante muitos séculos se localizou um porto fluvial de onde eram exportadas diversas mercadorias, nomeadamente o referido Vinho do Porto. Daqui partem hoje em dia os famosos Cruzeiros no Rio Douro, com destino à região do Alto Douro, onde toda a produção do vinho do Porto é adestrada.
A não perder é o Mosteiro da Serra do Pilar, com uma localização privilegiada, de onde se tem uma das mais belas vistas sobre a cidade do Porto. De facto, esta localização e vista excelente foi a escolha do Duque de Wellington para planear o seu ataque-surpresa às tropas invasoras Francesas, em 1809. 



Rio Douro, cidade de Vila Nova de Gaia e cidade do Porto


Rio Douro, cidade de Vila Nova de Gaia e cidade do Porto


Rio Douro, cidade de Vila Nova de Gaia e cidade do Porto


Rio Douro  e cidade do Porto


Rio Douro  e cidade do Porto


Rio Douro, Vila Nova de Gaia 


Rio Douro, ponte da Arrábida


Rio Douro, ponte da Arrábida


Rio Douro, barco Rabelo


Rio Douro


Rio Douro, Vila Nova de Gaia


Rio Douro, Vila Nova de Gaia, Mosteiro da Serra do Pilar


Vila Nova de Gaia, Mosteiro da Serra do Pilar


Vila Nova de Gaia, Caves do famoso vinho do Porto


Caves do vinho do Porto


Caves do vinho do Porto


Caves do vinho do Porto


Vila Nova de Gaia vista da cidade do Porto



Edvard Grieg: Peer Gynt Suite No.1



Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...