sexta-feira, 3 de maio de 2013

"Mães de Portugal" - Poema de Alberto d'Oliveira


Frederick Morgan (1847-1927), Bob Apple



Mães de Portugal


Ó Mães de Portugal comovedoras, 
Com Meninos Jesus de encontro ao peito, 
Iguais na devoção e amor perfeito 
Aos painéis onde estão Nossas Senhoras! 

Ó Virgem Mãe, qual se tu própria foras, 
Surgem de cada lado, quase a eito, 
As Mães e os Filhos em abraço estreito, 
Dolorosas, felizes, povoadoras... 

São presépios as casas onde moram: 
E o riso casto, as lágrimas que choram, 
O anseio que lhes enche o coração, 

Gesto, candura, olhar — tudo é divino, 
Tudo ensinado pelo Deus Menino, 
Tudo é da Mãe Celeste inspiração! 


Alberto d'Oliveira,
in "Poemas de Itália e Outros Poemas"



Alberto Oliveira
Alberto d'Oliveira


Alberto d'Oliveira, escritor português, nasceu a 16 de novembro de 1873, no Porto, e faleceu a 23 de abril de 1940, na mesma cidade. Frequentou a Universidade de Coimbra, onde fundou, com António Nobre, a revista Boémia Nova cuja polémica com a publicação fundada por Eugénio de Castro, Os Insubmissos, funcionou como pedra de toque para a afirmação dos movimentos simbolista e decadentista em Portugal. Colaborador da Revista de Portugal, fundada por Eça de Queirós, o nome de Alberto de Oliveira está umbilicalmente ligado, porém, ao movimento neogarrettista, cujo programa enunciou na coletânea de ensaios Palavras Loucas, onde preconiza, nomeadamente em "Do Neogarrettismo no Teatro", sob a figura tutelar de Garrett, exaltado pelo seu papel na defesa do nacionalismo, na recuperação da literatura popular enquanto fonte genuína da cultura portuguesa, no renascimento do drama e da poesia nacional, o abandono de modelos culturais estrangeiros, a defesa do que é nacional, a recolha da literatura oral de tradição popular, a recuperação do drama e romance histórico, o retorno ao rusticismo e à vernaculidade, vetores que viriam a plasmar-se de forma exemplar na própria produção poética de Alberto de Oliveira. Tendo, no início dos anos 20, dirigido o semanário monárquico e integralista Ação Nacional (1921), dedicou-se, nos últimos anos de vida, à redação de páginas de memórias sobre operíodo em que foi cônsul no Brasil e sobre figuras literárias com quem privou como Eça de Queirós ou António Nobre.

Alberto de Oliveira. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-05-03]


Edwin Thomas Roberts (British, 1840-1917)


"Ser mãe é andar chorando num sorriso
Ser mãe é ter um mundo e não ter nada
Ser mãe é padecer num paraíso..."

(Coelho Neto)

Henrique Maximiano Coelho Neto
(1864 — 1934) foi um escritor (cronista, folclorista, romancista, crítico e teatrólogo), político e professor brasileiro.


Theodor Dengler (1867 – 1903, German)
 A Portrait of a Mother and Daughter


"Pode secar-se, num coração de mulher, a seiva de todos os amores; nunca se extinguirá a do amor materno."

(Júlio Dantas)

Júlio Dantas (Lagos, 1876Lisboa, 1962) foi um escritor, médico, político e diplomata, que se distinguiu como um dos mais conhecidos intelectuais portugueses das primeiras décadas do século XX. Na sua actividade intelectual foi um polígrafo, cultivando os mais variados géneros literários, da poesia ao romance e ao jornalismo, mas foi como dramaturgo que ficou mais conhecido, em particular pela sua peça A Ceia dos Cardeais (1902), uma das mais populares produções teatrais portuguesas de sempre. Na política foi deputado, Ministro da Instrução Pública e Ministro dos Negócios Estrangeiros (1921-1922 e 1923), terminando a sua carreira pública como embaixador de Portugal no Brasil (1941-1949). Considerado retrógrado por alguns intelectuais coevos, como foi o caso de Almada Negreiros, que foi ao ponto de escrever o Manifesto Anti-Dantas e de publicamente o desconsiderar, conseguiu granjear durante a vida grande prestígio social e literário, prestígio que decaiu após a sua morte. Foi eleito sócio da Academia de Ciências de Lisboa (1908), instituição a que presidiu a partir de 1922.



Frederick Warren Freer (1849 – 1908) foi um pintor americano.  
Mother and Child Reading


"Os filhos são para as mães as âncoras da sua vida."

Sófocles
Poeta, Grécia Antiga 
(-496 -406)


Mary Cassatt (1844, Estados Unidos - 1926,  França, pintora impressionista),
Auguste Reading to Her Daughter, 1910


"Se você sacode uma árvore, fique por perto para colher as frutas." 

(Mary Cassatt)


Mary CassattThe Garden Reading 


“A mãe trouxe para a terra o invento de amar.”

(E. Harancourt)

Edmund Harancourt (18 de outubro de 1856 - 17 de novembro de 1941), foi um escritor francês.



Beach Treasures by Jeffrey T. Larson (1999)
(jeffreytlarson)

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...