quarta-feira, 8 de maio de 2013

Nevermore... de Paul Verlaine

 
Albert Edelfelt, Idyll, 1878
 

Nevermore


Ah, lembrança, lembrança, que me queres? O Outono
Fazia voar os tordos p'lo ar desmaiado
E o sol dardejava um monótono raio
No bosque amarelado onde a nortada ecoa.


A sonhar caminhávamos os dois, a sós,
Ela e eu, pensamento e cabelos ao vento.
De repente, fitou-me em olhar comovente:
«Qual foi o teu mais belo dia?» disse a voz


De oiro vivo, sonora, em fresco timbre angélico.
Um sorriso discreto deu-lhe a minha réplica
E então, como um devoto, beijei-lhe a mão branca.


— Ah! as primeiras flores, como são perfumadas!
E como em nós ressoa o murmúrio vibrante
Desse primeiro sim dos lábios bem-amados!


 
Paul Verlaine (Poeta francês, 1844 / 1896),
in "Melancolia"
Tradução de Fernando Pinto do Amaral



Albert Edelfelt, Playing the Piano 
 
 
 

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...