terça-feira, 4 de março de 2014

Há noites que são feitas dos meus braços... Poema de Natália Correia


Henri Rousseau, A Carnival Evening, 1886,
Philadelphia Museum of Art


Há noites que são feitas dos meus braços


Há noites que são feitas dos meus braços
e um silêncio comum às violetas
e há sete luas que são sete traços
de sete noites que nunca foram feitas.

Há noites que levamos à cintura
como um cinto de grandes borboletas.
E um risco a sangue na nossa carne escura
duma espada à baínha de um cometa.

Há noites que nos deixam para trás
enrolados no nosso desencanto
e cisnes brancos que só são iguais
à mais longínqua onda de seu canto.

Há noites que nos levam para onde
o fantasma de nós fica mais perto:
e é sempre a nossa voz que nos responde
e só o nosso nome estava certo.


Natália Correia



 
Galeria 
de 
Henri Rousseau
(Arte Naif) 
 
Henri Rousseau, A Guerra, 1894, Óleo sobre tela, 114 x 195 cm, Paris.



Henri Rousseau, A Encantadora de Serpentes, 1907,
óleo sobre tela - 189 x 169 cm, Musée d'Orsay (Paris, France)




Henri Rousseau, View of the Bridge in Sevres and the Hills of Clamart, 
Saint-Cloud and Bellevue with biplane, balloon and dirigible, 1908


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...