domingo, 22 de junho de 2014

"A Eterna Ausência" - Poema de António Salvado


William Henry Margetson (British artist, 1861-1940), The Seashore, 1900



A Eterna Ausência


Eu aguardei com lágrimas e o vento 
suavizando o meu instinto aberto 
no fumo do cigarro ou na alegria das aves 
o surgimento anónimo 
no grande cais da vida 
desse navio noturno 
que me trazia aquela com lábios evidentes 
e possuindo um perfil indubitável, 
mulher com dedos religiosos 
e braços espirituais... 

Aquela mulher-pirâmide 
com chamas pelo corpo 
e gritos silenciosos nas pupilas. 

Amante que não veio como a noite prometera 
numa suspensa nuvem acordar 
meu coração de carne e alguma cinza... 

Amante que ficou não sei aonde 
a castigar meus dias involúveis 
ou a afogar meu sexo na caveira 
deste carnal desespero!... 


António Salvado, 
in "A Flor e a Noite"


António Forte Salvado (Castelo Branco, 20 de Fevereiro de 1936) é um poeta e escritor português. Além de ser autor de uma extensa obra poética, é também autor de ensaios e antologias, tendo sido a sua obra reconhecida várias vezes com prémios nacionais e internacionais.



Galeria de William Henry Margetson
William Henry Margetson, A summer evening, c. 1910



William Henry Margetson, The virgin at the loom, 1895



William Henry Margetson, A Stitch in Time, 1915 



William Henry Margetson, At The Cottage Door



William Henry Margetson, A New Day, 1930 



William Henry Margetson, Girl by a Lock



William Henry Margetson, The Amulet



William Henry Margetson, Woman on Terrace



William Henry Margetson, Two Young Women Seated



"A amizade é o conforto indescritível de nos sentirmos seguros com uma pessoa, sem ser preciso pesar o que se pensa, nem medir o que se diz." 


(George Eliot)



George Eliot


George Eliot, pseudónimo de Mary Ann Evans (Nuneaton, Warwickshire, 22 de novembro de 1819ChelseaLondres, 22 de dezembro de 1880), foi uma novelista autodidata britânica.
Usava um nom de plume masculino para que seus trabalhos fossem levados a sério. À época, outras autoras publicavam trabalhos sob seus verdadeiros nomes, mas Eliot queria escapar de estereótipos que ditavam que mulheres só escreviam romances leves. Outro fator que pode ter levado Eliot a usar um pseudónimo masculino era o desejo de preservar sua vida íntima, sobretudo seu relacionamento com George Henry Lewes, um homem casado, com quem viveu por mais de vinte anos.
Seu primeiro trabalho literário, de 1844, foi a tradução da Vida de Jesus de David Strauss. O tema principal dos seus romances, como em Silas Marner, é a vida das pessoas simples, que retrata, com uma sensibilidade reconhecida por várias gerações de leitores, os conflitos do ser humano tais quais a angústia, o desespero e a busca da razão da vida.
Desenvolveu o método da análise psicológico característico da ficção moderna. Sua obra Middlemarch (1872) é considerada um dos maiores romances do século XIX. Segundo Virginia Woolf, em um artigo em tributo à escritora, este é "um dos poucos romances ingleses escritos para gente grande .


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...