sábado, 11 de outubro de 2014

"Em que emprego o meu tempo?" - Poema de Eugénio de Castro


 Arkady Rylov (1870-1939) In the Blue Expanse, 1918 



Em que emprego o meu tempo?


Em que emprego o meu tempo? Vou e venho, 
Sem dar conta de mim nem dos pastores, 
Que deixam de cantar os seus amores, 
Quando passo e lhes mostro a dor que tenho. 

É de tristezas o torrão que amanho, 
Amasso o negro pão com dissabores, 
Em ribeiros de pranto pesco dores, 
E guardo de saudades um rebanho. 

Meu coração à doce paz resiste, 
E, embora fiqueis crendo que motejo, 
Alegre vivo por viver tão triste! 

Amor se mostra nesta dor que abrigo: 
Quero triste viver, pois vos não vejo, 
Nem sequer muito ao longe vos lobrigo. 


Eugénio de Castro,
in 'Depois da Ceifa'



Eugénio de Castro


Eugénio de Castro, nascido a 4 de março de 1869, em Coimbra, e falecido a 17 de agosto de 1944, na mesma cidade foi um poeta e autor dramático. 

Formado pela Faculdade de Letras de Coimbra, aí viria a desempenhar funções docentes e diretivas. É ainda durante os estudos académicos que funda, em 1889, com João Menezes e Francisco Bastos, a revista Os Insubmissos, criada com um intuito deliberado de rivalizar com a revista académica Boémia Nova, recém-lançada por Alberto de Oliveira e António Nobre
Na polémica entre as duas publicações serão colocadas questões deversificação (o problema da cesura do alexandrino) que, se não têm a ver diretamente com o Simbolismo, contribuirão para uma nova consciência da linguagem poética, afim das premissas daquele movimento, cuja emergência é usual datar-se de 1890, data da publicação do volume poético Oaristos de Eugénio de Castro.

 Deixando para trás quatro volumes de poesia (Canções de abril, 1884; Jesus de Nazaré, 1885; Per Umbram, 1887; Horas Tristes, 1888) pouco significativos na bibliografia do autor, se considerados à luz da estética de que viria a ser porta-voz, na introdução a Oaristos, o poeta acusaria os lugares-comuns sobre que assentava a poesia sua contemporânea, quer ao nível de imagens, de rimas e de léxico, defendendo uma nova expressão poética, que, reclamando a "liberdade do ritmo", o processo estilístico da aliteração, as "rimas raras", os "raros vocábulos", e um estilo "decadente", se traduziria, neste, como em volumes posteriores, como Horas, numa poética atenta ao valor sugestivo e musical do significante, alheia a qualquer compromisso com a realidade social e defensora de uma poética de "arte pela arte".

 Em 1895, Eugénio de Castro fundou a revista internacional A Arte, que, anunciando a colaboração de autores como Paul Adam, Gabriele d'Anunzio, Maurice Barrès, Gustave KhanMaeterlinck, Stéphane Mallarmé, Jean Moréas, Jules Renard, J. H. Rosny, ou Verlaine, pretendia constituir, ligando alguma poesia portuguesa (sobretudo a do autor) à poesia europeia, um elo no movimento simbolista internacional, com cujos representantes Eugénio de Castro mantinha, aliás, correspondência. A sua poesia, seja nesta primeira fase, onde a influência do simbolismo de matriz verlainiana é muito nítida, seja em fases posteriores, de refluxo neoclassicista (A Fonte do Sátiro e Outros Poemas, Camafeus Romanos, A Mantilha de Medronhos, Descendo a Encosta), nunca se libertou do epíteto de esteticista e escolar, sendo, no entanto, uma referência incontornável na análise do processo de libertação da linguagem poética que viria a culminar com o modernismo.

No domínio da expressão dramática, peças como Belkiss inscrevem-se numa compreensão do fenómeno teatral próxima do teatro simbolista de Maurice Maeterlinck, aque se seguiriam outras tentativas, de pendor classicista, como Constança.

Eugénio de Castro. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [Consult. 2014-09-23].



Arkady Rylov, Sunset, 1917


Simbolismo

  • Introdução

Simbolismo foi um movimento artístico e literário que surgiu em França na década de 80 do século XIX.

Constituindo uma reação contra o materialismo e mecanização da civilização industrial, esta corrente rejeitava simultaneamente o Realismo, o Romantismo e o Impressionismo, acreditando que a arte deveria exprimir ideias a partir de uma conceção simbolista das formas e da cor.

  • Artes Plásticas e Decorativas

Os pintores simbolistas apresentavam especial preferência por temáticas místicas ligadas à religião, a lendas profanas, à morte ou ao pecado, impregnadas de forte teor moralizante, para as quais a técnica do fresco se adequava perfeitamente. 

Os fundamentos filosóficos do Simbolismo remontam ao movimento romântico, através da recuperação de alguns conceitos de pintores como William Blake Philipp Otto Runge (1777-1810) que abordaram a questão da simbologia da cor e da relação entre forma e cromatismo. Este movimento inspirou-se igualmente nas obras precursoras de Pierre Puvis de Chavannes(1824-1898), de Gustave Moreau (1826-1898) e de Odilon Redon, todas elas ligadas a temáticas de índole sobrenatural e mitológica, ou, de uma forma mais direta, nos trabalhos de Paul Gauguin do período de Pont-Aven. Não negligenciável foi também a inspiração na arte oriental, com grande divulgação nestes anos por toda a Europa.

Enquanto movimento artístico, o Simbolismo não apresentou uma uniformidade estilística, resultando mais de uma atitude espiritual que de um programa estético rígido. Tendo como principal centro difusor a cidade de Paris, onde se concentrava em torno do influente grupo dos Nabis, fundado por Paul Sérusier (1864-1927) em 1888, e do pintor  Toulouse-Lautrec, o Simbolismo encontrou expressão original em artistas de outros meios culturais, como o belga James Ensor, o norueguês Edvard Munch e o inglês Aubrey Beardsley (1872-1898). Em Munique foi fundado, pelo poeta Stefan George (1868-1933), um círculo de simbolistas, no qual participou o suíço Ferdinand Hodler (1853-1918), um dos pintores mais idealistas do movimento que procurou criar uma linguagem conciliadora e universalizante, ligada ao indivíduo, à sociedade e à história.

A primeira exposição de pintura simbolista realizou-se na Feira Mundial de Paris de 1889, sob a tutela de Paul Gauguin

Sendo um estilo eminentemente decorativo e ornamental, o simbolismo teve uma repercussão significativa no desenvolvimento das artes decorativas e gráficas.

O Simbolismo foi um dos principais precursores de movimentos como o Fauvismo, o Expressionismo e o Surrealismo.

  • Literatura

A reação espiritualista da filosofia de Bergson determina a ruína do materialismo e dá origem a uma literatura que satisfaz essa busca de espiritualidade e de transcendência metafísica. 

Segundo a crítica de Eça em Notas Contemporâneas, em poesia «a voga voa toda para o rutilante Herédia, que nos canta luxuosamente os heróis e semideuses, ou para os simbolistas, que com bocados esfumados de verbo e farrapos indecisos de sentimento nos arranjam um desses nevoeiros poéticos, onde agora as almas têm a paixão de se aninhar e de se esconder da vida... De novo se reimprime Lamartine! A lua das Meditações passa outra vez, pálida e meiga, sobre o lago - e o rouxinol e Deus reentraram na estrofe... Já muito raramente se pinta a paisagem tal como a viram os sinceros e claros olhos de Daubigny, de Th. Rousseau, e a ambição é fixar, por meio de manchas, de lampejos, de fundos de sombras, de abstrações, a emoção risonha ou dolente que a paisagem dá à alma... Os temas que convêm são os que têm o mais subtil simbolismo e os mestres admirados e seguidos são Burne Jones, Moreau, Aman-Jean que nos conduzem a imaginação para o turvo país dos mitos». «Onde esta reação contra o positivismo científico se mostra mais decidida e franca é em matéria religiosa». E volta a dizer: «Ao lado deste movimento negativo contra o positivismo, surge e cresce paralelamente um movimento afirmativo de espiritualidade religiosa». A causa «está toda no modo brutal e rigoroso com que o positivismo científico tratou a imaginação, que é uma tão inseparável e legítima companheira do homem como a razão».

Simbolismo surge entre nós na década de 1880-1890, igualmente em França, com VerlaineArthur RimbaudMallarmé, cuja produção ao novo gosto aparece no Manifeste Littéraire de l'École Symboliste de Jean Moréas (1886) e manifesta-se como uma viva reação contra a disciplina dos parnasianos.

A poesia simbolista é subjetivista. Os novos poetas procuram a musicalidade do verso e daí, pois, também o lugar que vão ocupar os símbolos. Veja-se a poesia Mãos de Eugénio de Castro, na qual as imagens simbólicas transmitem as impressões que experimenta aquele que sente o encanto delas. 

Os poetas voltam-se para a vida interior que tentam evocar, sugerir, de uma maneira indireta, dirigindo-se principalmente à sensibilidade. Manifesta-se, novamente, o gosto por uma paisagem de cores românticas, surge a poesia confessional, indefinida, vaga, camuflada nos símbolos, nas alegorias, imagens inusitadas, comparações estranhas, sinestesias, prosopopeias, animismo ousado, concretização de estados abstratos, associações de imagens imprevistas, a oferecer-nos um certo estonteamento de sentidos pela musicalidade que os novos processos possibilitam: aliterações abundantes, rondel, quebra das cesuras, ritmos variados dentro da mesma estrofe e medidas de versos diferentes dentro da mesma composição, o versilibrismo. Esta nova corrente, para a difusão da qual tanto contribuíram a poesia de Stéphane Mallarmé e de Verlaine (o poeta do sonho, do vago, da religião), surge entre nós quer em virtude dos contactos com a literatura francesa, quer como consequência do renascer do nacionalismo. 

Simbolismo. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [Consult. 2014-09-23].



Arkady Rylov, Self-portrait, 1939


Arkady Alexandrovich Rylov (29 January, 1870 – June 22, 1939) was a Russian and Soviet Symbolist painter.


Arkady Rylov, The Green Noise, 1904


Arkady Rylov, In the forest, 1905


Arkady Rylov, Thundering River, 1917


Arkady Rylov, Seagulls at sunset, 1922


 Arkady Rylov, Wild Rowan (polevaya ryabinka), 1922


"As pessoas comuns pensam apenas como passar o tempo. Uma pessoa inteligente tenta usar o tempo."

(Arthur Schopenhauer)



Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...