terça-feira, 28 de abril de 2015

"Quando a manhã se insinua"... Poema de Rui Caeiro


Steven Kenny, The Lovers, 1997, oil on panel, 14.5 x 14.5 inches



Quando a manhã se insinua


Quando a manhã se insinua
e os corpos, obstinados, não querem
e não deixam e mais e mais
se escondem dentro da cama até
ao sufoco bom do fim da noite...
Coisas que só sabemos de ouvir dizer
manhãs assim não o conheceremos nunca
já que temos o amor, o desejo e mais
nada, temos pouco tempo e mais nada
e depois disso ainda a fome
que sempre nos sobra ou sobrevém
Quanto ao mais - dormir, acordar
juntos, passear à beira-mar, envelhecer
juntos como faz toda a gente
- ora esquece mas é.



Rui Caeiro, in O Quarto Azul e Outros Poemas, 
edição Letra Livre, 2011.


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...