quarta-feira, 24 de junho de 2015

"Termo" - Poema de Miguel Torga






Termo


Pára, imaginação!
Não há mais aventura, nem poesia.
A hora é de finados,
Com versos apagados
Na lareira onde a fogueira ardia.

Pára, é a lei.
Agora é só cansaço desiludido
E memória teimosa que entristece
O nada que acontece
E o muito acontecido.

Pára, porque findou
O tempo intemporal
Do amor e da graça concedida
A quem nele, no seu barro original,
Modela a própria vida.



Coimbra, 3 de Novembro de 1993


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...