domingo, 3 de janeiro de 2016

"Fala de Mãe e Filho" - Poema de Mia Couto


Tender Moments, Giclee by Garmash



Fala de Mãe e Filho

 
«Meu filho:
onde vais
que tens do rio o caminhar?»

Não espreites a estrada, mãe,
que eu nasci
onde o tempo se despenhou.

«Meu filho:
onde te posso lembrar
se apenas te dei nome para te embalar?»

Mãe, minha mãe:
não te pese saudade
que eu voltarei sempre
como quem chega do mar.

«Meu filho:
onde te posso nascer
se meu ventre seco
nunca ninguém gerou?»

Mãe, nascerás sempre
na pedra em que te escuto:
a tua ausência, meu luto,
teu corpo para sempre insepulto. 


Mia Couto, in 'Tradutor de Chuvas'



Michael and Inessa Garmash 



"Quem ama a vida é amado por ela." 

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...