sábado, 13 de fevereiro de 2016

"À Morte peço a Paz farto de tudo" - Poema de William Shakespeare





À Morte peço a Paz farto de tudo


À morte peço a paz farto de tudo,
de ver talento a mendigar o pão,
e o oco abonitado e farfalhudo,
e a pura fé rasgada na traição,
e galas de ouro em despejados bustos,
e a virgindade à bruta rebentada,
e em justa perfeição tratos injustos,
e o valor da inépcia valer nada,
e autoridade na arte pôr mordaça,
e pedantes a engenho dando lei,
e a verdade por lorpa como passa,
e no cativo bem o mal ser rei.
Farto disto, não deixo o meu caminho,
pois se eu morrer, é o meu amor sozinho. 


in "Sonetos (66)"



Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...