domingo, 7 de fevereiro de 2016

“Um homem e o seu carnaval” - Poema de Carlos Drummond de Andrade


Robert Delaunay, 1906, Carousel of Pigs, oil on canvas, Solomon R. Guggenheim Museum




“Um homem e o seu carnaval”


Deus me abandonou
no meio da orgia
entre uma baiana e uma egípcia.
Estou perdido.
Sem olhos, sem boca
sem dimensões.
As fitas, as cores, os barulhos
passam por mim de raspão.
Pobre poesia.

O pandeiro bate
é dentro do peito
mas ninguém percebe.
Estou lívido, gago.
Eternas namoradas
riem para mim
demonstrando os corpos,
os dentes.
Impossível perdoá-las,
sequer esquecê-las.

Deus me abandonou
no meio do rio.
Estou me afogando
peixes sulfúreos
ondas de éter
curvas curvas curvas
bandeiras de préstitos
pneus silenciosos
grandes abraços largos espaços
eternamente.


Carlos Drummond de Andrade



Queen - Innuendo



Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...