domingo, 6 de março de 2016

"Cegueira Bendita" - Poema de Florbela Espanca


Myrtille Henrion Picco, Somnolence (1988), 24 x 32 cm, Collection privée, France



Cegueira Bendita


Ando perdida nestes sonhos verdes 
De ter nascido e não saber quem sou, 
Ando ceguinha a tatear paredes 
E nem ao menos sei quem me cegou! 

Não vejo nada, tudo é morto e vago... 
E a minha alma cega, ao abandono 
Faz-me lembrar o nenúfar dum lago 
Estendendo as asas brancas cor do sonho... 

Ter dentro d´alma na luz de todo o mundo 
E não ver nada nesse mar sem fundo, 
Poetas meus irmãos, que triste sorte!... 

E chamam-nos a nós Iluminados! 
Pobres cegos sem culpas, sem pecados, 
A sofrer pelos outros até à morte! 



in "A Mensageira das Violetas"


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...