segunda-feira, 11 de abril de 2016

"As Ventoinhas" - Poema de Machado de Assis




As Ventoinhas


A mulher é um cata-vento, 
Vai ao vento, 
Vai ao vento que soprar; 
Como vai também ao vento 
Turbulento, 
Turbulento e incerto o mar. 

Sopra o sul: a ventoinha 
Volta azinha, 
Volta azinha para o sul; 
Vem taful; a cabecinha 
Volta azinha, 
Volta azinha ao meu taful. 

Quem lhe puser confiança, 
De esperança, 
De esperança mal está; 
Nem desta sorte a esperança 
Confiança, 
Confiança nos dará. 

Valera o mesmo na areia 
Rija ameia, 
Rija ameia construir; 
Chega o mar e vai a ameia 
Com a areia, 
Com a areia confundir. 

Ouço dizer de umas fadas 
Que abraçadas, 
Que abraçadas como irmãs 
Caçam almas descuidadas... 
Ah!  que fadas! 
Ah que fadas tão vilãs! 

Pois, como essas das baladas, 
Umas fadas, 
Umas fadas dentre nós, 
Caçam, como nas baladas; 
E são fadas, 
E são fadas de alma e voz. 

É que — como o cata-vento, 
Vão ao vento, 
Vão ao vento que lhes der; 
Cedem três coisas ao vento: 
Cata-vento, 
Cata-vento, água e mulher. ~


in 'Crisálidas'



Anders Zorn, Lady with fur cape, 1887


"Mesmo a mulher mais sincera esconde algum segredo no fundo do seu coração." 




Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...