domingo, 21 de agosto de 2016

"Clandestinidade" - Poema de Fernando Namora


L'Hombre (1887), a painting by Malthe Odin Engelstedt
The player in the center is Rasmus Malling-Hansen, Danish inventor of the typewriter.The Four Friends Playing Hombre




Clandestinidade


Secreto me acho 
e secreto me sentes 
quando 
secreto me julgas, 
Impuro me reconheço 
quando 
o nosso silêncio 
são vozes turbas. 
Dúbio é o desejo 
quando 
não é transparente 
a água em que se deita 
precavidamente. 
Clandestinos somos 
quando 
o que somos 
teme a face que pesquisa. 
Os olhos são claros 
quando 
a superfície do espelho 
é lisa. 


in 'Marketing'


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...