sábado, 3 de setembro de 2016

"Retórica da Paisagem" - Poema de Fernando Guerreiro


Paul-Élie Ranson , Paysage nabique, 1890, 89 x 115 cm, Coleção particular




Retórica da Paisagem


O que se pede da poesia? Que nos entretenha os olhos 
com as rendas sulfurosas de um doentio crepúsculo? 
Com efeito, no poema, as palavras não nos servem 
de cestos em que se recolham - dilatados, quase 
a cair das árvores - os frutos. E contudo, continuamos 
a confundir os caminhos do poema com os do mundo 
quando eles, na natureza, apenas nos apontam 
a incerteza do destino. As palavras repetem-se - 
frutos atirados sobre a mesa - e a morte, 
para quem não acredita no poder de transfiguração 
das metáforas, esgota da vida todo o sentido. 
Diz-se: os ramos não crescem no quadro, 
os pássaros deixam de assolar a paisagem - 
e o pensamento, ao refletir-se, deixa a tela 
pejada dos restos em que se perdeu pelo 
horizonte. Mas todo o conhecimento 
acaba no ponto em que o voo se 
confunde com a linha acidentada da planície. 



in 'Teoria da Literatura'



Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...