sexta-feira, 28 de outubro de 2016

"Horas" - Poema de Violeta Figueiredo


Victor Gilbert, Dans les Jardins des Champs Elysées, 1897 



HORAS


Sou pequena,
finjo que ainda não acordei.
"- Oito horas", chama a minha mãe.
O quê? Não quero horas todas juntas,
às oito, às doze, às dez
de cada vez!!
"- São horas", repete ela.
Ah, assim está bem.


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...