segunda-feira, 21 de novembro de 2016

"Canção da Névoa" - Poema de Teixeira de Pascoaes


Hans Dahl (Norwegian, 1849-1937)Last Rays of the Sun



Canção da Névoa 


Tristezas leva-as o vento;
Vão no vento; andam no ar...
Anda a espuma, à tona da água,
E à flor da noite o luar...

Vindes dum peito que sofre?
De uma folha a estiolar?
Donde vindes, donde vindes,
Tristezas que andais, no ar?

Eflúvios, emanações,
Saídas da terra e do mar,
Sois nevoeiros de lágrimas
Que o vento espalha, no ar...

Suspiros brandos e leves
De avezinhas a expirar;
Ermas sombras de canções,
Que ficaram por cantar!

Brancas tristezas subindo
Das fontes, que vão secar!
E das sombras que, à noitinha,
Ouve a gente murmurar.

Saudades, melancolias,
Que o Poeta vai aspirar...
Melancolias e mágoas,
Que são almas a voar.

E o Poeta solitário,
Fica a cismar, a cismar...
Todo embebido em tristezas,
Levadas na onda do ar...

E o Poeta se transfigura,
É a voz do mundo a falar!
E aquela voz também vai,
No vento que anda no ar...


Sombras
Antologia Poética


Hans Dahl, Figures in a Rowing Boat on a Fjord, 1917



"A ciência desenha a onda; a poesia enche-a de água." 


(Teixeira de Pascoaes)


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...