segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

"Não: devagar" - Poema de Álvaro de Campos


Olof Arborelius, Farm in Winter



Não: devagar


Não: devagar.
Devagar, porque não sei
Onde quero ir.
Há entre mim e os meus passos
Uma divergência instintiva.
Há entre quem sou e estou
Uma diferença de verbo
Que corresponde à realidade.

Devagar...
Sim, devagar...
Quero pensar no que quer dizer
Este devagar...

Talvez o mundo exterior tenha pressa demais.
Talvez a alma vulgar queira chegar mais cedo.
TaIvez a impressão dos momentos seja muito próxima...

Talvez isso tudo...
Mas o que me preocupa é esta palavra devagar...
O que é que tem que ser devagar?
Se calhar é o universo...
A verdade manda Deus que se diga.
Mas ouviu alguém isso a Deus?


30-12-1934

Álvaro de Campos, in Poesias 
Heterónimo de Fernando Pessoa.
Lisboa: Ática, 1944 



Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...