terça-feira, 25 de abril de 2017

"Para Aquém de Abril" - Poema de Francisco Duarte


Pintura de  Amália Soares alusiva ao dia 25 de Abril



Para Aquém de Abril


Entardeceram
nos umbrais da aurora
as memórias do teu rosto
Abril...
Nunca mais soprou o vento
depois
de Novembro
a vida
petrificou-se na inconstância
do rio...
não mais navegam
o teu sorriso
de florestas virgens

Hoje
passeio atónito
na neblina
das montanhas
fluir no tempo
na inércia da aventura
sonhar parado
no caminho em movimento
vir à estrada
e saber oscilar no horizonte
ser a terra
o mar
o sol
e a boca
cantar poema aberto
esperança viva
olhar o homem disperso
e cantá-lo
com a herança do ventre
reinvento-me
e não passo da superfície
deste mar austero

nos flancos do dia
arde o inatingível
torno a inventar

(o desfraldar das areias
vai-se consumindo
até que o sol nasça) 


Francisco Duarte
Afluentes de Liberdade
Edições Milho Rei



Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...