domingo, 16 de abril de 2017

"Tarde com sol" - Poema de Nuno Júdice


Albert Chevallier Tayler (1862-1925), The Thames at Benson, 1912




Tarde com sol 


As coisas simples dizem-se depressa; tão depressa
que nem conseguimos que as ouçam. As coisas
simples murmuram-se; um murmúrio
tão baixo que não chega aos ouvidos de ninguém.

As coisas simples escorrem pela prateleira
da loja; tão ao de leve que ninguém
as compra. As coisas simples flutuam com
o vento; tão alto, que não se vêm. 

São assim as coisas simples: tão simples
como o sol que bate nos teus olhos, para
que os feches, e as coisas simples passem
como sombra sobre as tuas pálpebras. 




Albert Chevallier TaylerA Day at the Market, 1887, Oil on canvas



"Se os teus projetos forem para um ano, semeia o grão. Se forem para dez anos, planta uma árvore. Se forem para cem anos, educa o povo." 

(Provérbio chinês)



Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...