domingo, 21 de maio de 2017

"Voz Interior" - Poema de Antero de Quental


Lyonel Feininger, "Jesuítas III", 1915, óleo sobre tela



Voz Interior
(A João de Deus) 


Embebido num sonho doloroso, 
Que atravessam fantásticos clarões, 
Tropeçando num povo de visões, 
Se agita meu pensar tumultuoso... 

Com um bramir de mar tempestuoso 
Que até aos céus arroja os seus cachões, 
Através duma luz de exalações, 
Rodeia-me o Universo monstruoso... 

Um ai sem termo, um trágico gemido 
Ecoa sem cessar ao meu ouvido, 
Com horrível, monótono vaivém... 

Só no meu coração, que sondo e meço, 
Não sei que voz, que eu mesmo desconheço, 
Em segredo protesta e afirma o Bem!


Antero de Quental,
in "Sonetos"


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...