quinta-feira, 30 de novembro de 2017

"De amarelo" - Poema de Deborah Brennand


Sir Herbert James Gunn, Pauline in the Yellow Dress, 1944, oil on canvas



De amarelo


Hoje devo me vestir de amarelo:
espantar os olhos negros da solidão,
tal a luz do girassol de ouro dourado
que abre pétalas iluminando nuvens.

Quem saberá (nem ela mesma) o artifício
usado para enganá-la? Sonhos? Jardins?
Não digo. Hoje me visto de amarelo
e vou, nos ramos, entoar da ave o canto.

Quero espantar olhos de solidão
que vem das grutas e abandona montes
para comer a relva rubra do meu coração.
Mas hoje, de amarelo, espantarei a fera

Fugindo, à procura de outra vítima:
Quem sabe, a mata?


em "Poesia reunida", 2007


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...