segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

"Acalanto" - Poema de Ada Ciocci Curado


Artur Loureiro (Porto, 1853 - Gerês, 1932), O repouso da artista, 1882



Acalanto


Vai amado. 
Busca por onde quiseres, 
com quem quiseres, 
como quiseres, 
o prazer. 
Até mesmo, 
aquele prazer que um dia alguém apelidou de amor. 
E, 
se por acaso te cansares 
e, 
do compromisso que um dia nos uniu te lembrares, 
se desejares, 
volta. 
Serei a que conforta. 
Não saberás da dor, 
da saudade, 
das lágrimas sentidas que tua ausência causou. 


In Acalanto, 1991



Artur LoureiroPaisagem


"Quando se gosta da vida, gosta-se do passado, porque ele é o presente tal como sobreviveu na memória humana."




Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...