domingo, 3 de dezembro de 2017

"Beijo" - Poema de Mia Couto


Ismael Nery, Namorados, 1927, óleo sobre tela - 58.5 x 58.5 cm 



Beijo


Não quero o primeiro beijo:
basta-me
o instante antes do beijo.

Quero-me
corpo ante o abismo,
terra no rasgão do sismo.

O lábio ardendo
entre tremor e temor,
o escurecer da luz
no desaguar dos corpos:
o amor
não tem depois.

Quero o vulcão
que na terra não toca:
o beijo antes de ser boca.


Mia Couto, em “Tradutor de chuvas”. 
Lisboa: Editorial Caminho, 2011.


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...