quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Ámen... Poema de José Régio


"O ginete circense" (1913), de Ernst Ludwig Kirchner,
Pinakothek der Moderne, Munique.


Ámen

No circo cheio de luz
Há tanto que ver!...

«Senhores!»
— Grita o palhaço da entrada,
Todo listrado de cores —
«Entrai, que não custa nada
«À saída é que se paga»

(E eu sou aquele palhaço
Com listras!, e estardalhaço,
Chamando público...)

Na arena,
Está toda a companhia.
E o público contracena
Com a arena,
Como a arena com o público,
Agonias de alegria...

Uma bailarina dança.
A bailarina que dança
Já correu França e Aragança
Dançando do mesmo modo
Com todo o seu corpo todo.

Mas sempre, de cada vez,
Seu pés,
Seus voláteis pés,
Tiveram diverso modo
De raptar da mesma forma
Seu corpo todo!

Os seus movimentos de hoje
São, talvez, iguais aos de ontem,
Aos olhos de quem não vê
Que o gesto feito uma vez
Já se não faz como fez.

Ai!, a vida!
E eu que ouvi que a vida é um dia!
Mas acaba e principia
A cada instante do dia...

(E eu também sou bailarino:
Também danço!;
Também não tenho descanso;
Também cá vivo fingindo
Que só vivo repetindo,
Muito embora
Saiba como a toda a hora
Vario e crio,
Ruo e fluo,
Como um rio...)

Na plateia, um homem bêbado
Tem olhos vítreos do vinho.
Seus olhos vítreos
Pegaram-se às pernas ágeis
Da bailarina.
Seu olhar que foi subindo
A foi despindo...
E ali a cara de todos
Aquele bêbado a goza,
Gemendo, arquejando, rindo...

... De tal modo,
Que, súbito, o circo todo
é um grande leito em festa, a receber
O espasmo daquele homem
Que possui essa mulher.

Que mentira e que verdade
Que é a vida!

(E eu sou, também, esse bêbado
Que a força de desejar
Transformou em realidade
O seu desejo.
Na verdade...,
Sim, na verdade, não vejo
Porque me não enganar...)

O acrobata, que belo,
Cinturado de amarelo!
Que belo
Ser acrobata!
Seu corpo é de oiro e de prata,
Com fogo e gelo a correr...
Pendurado do trapézio,
Crucificado no ar,
Causa angústia e faz prazer
Ver esse corpo bailar,
Voar
Entre a vida e a morte...

E é belo ser assim forte,
Ficando assim delicado.

Ora esse alado elegante
Que sorri com tal desplante
Tem, no entanto,
Há já tanto!,
Uma loucura com ele
Que o impele:
Quer subir
Até onde puder ir;
Além do que puder ir;
Mais e mais!
Seus belos saltos mortais
Desenham cada vez mais
Voos cada vez mais trágicos.
Até que ele há-de chegar
À tristíssima vitória
De não ter mais que avançar.

Então...,
Ele há-de, ainda, sorrir.
Ora verão!
E há-de deixar-se cair.

E há-de deixar-se cair,
Do sétimo céu ao chão.

Ai!, a vida!
Poema da Tentação...

(E eu sou aquele acrobata:
Não subi nem me exibi;
Não me tapei de amarelo,
Nem meu corpo é de oiro e prata,
Nem eu sou belo...
Tenho dó de não ser belo!
Mas sou aquele acrobata.)

Ri, palhaço!

O palhaço entrou em cena,
Ri, cabriola, rebola,
Pega fogo à multidão.

Ri, palhaço!

Corpo de borracha e aço,
Rebola como uma bola,
Tem dentro não sei que mola
Que pincha, emperra, uiva, guincha,
Zune, faz rir!

Ri, palhaço!

Ri..., ri de ti para os outros,
Ri dos outros para ti,
Ri de ti para ti... ri!,
Ri dos outros para os outros...,
Ri, arre!, ri, irra!, ri!

Não!, que não!, que eu não lamente
Quem então, mesmo que o tente,
Não deixa de se exprimir
Tão brutalmente.

Palhaço, ri!

Eu não sei ter dó de ti:
Por miserável que seja,
Não se tem dó do que é belo.

(... Porque,
Será preciso dizê-lo?,
Também sou esse palhaço
Feito de borracha
E aço...)

Ai!, a vida!
Que trambolhões na subida,
Que ascenções pela descida...!

Entre os mil espectadores,
Encolhido,
Pequenino,
— Meu menino, ino, ino... —
Sim, fixo aquele menino.

Seus olhos, duas estrelas,
Acesinhos como velas
E maiores
Que os dos mais espectadores,
São de Menino Jesus
Que dá lição aos doutores.

Esses olhos fazem luz
Sobre todo o circo... São
Duas varas de condão.

Eis como, a luz que eles dão,
Tudo, em redor, se enriquece
De outra significação:

Que linda história de fadas
Se não vai desenrolando!,
Com princesas encantadas
Desencantadas,
E jovens reis escalando
Que muralhas invencíveis
Ao ritmo de árias terríveis,
Enquanto um príncipe excêntrico
Engole espadas e chamas,
Vem divertir o seu povo,
Trava prélios
Com dragões,
Gigantes,
Bruxas,
Anões,
—Criações
Dum mundo novo...

Ai!, a vida!
Maravilhosa historieta!

(E eu sou aquele menino:
Sou poeta...)

Mas em frente,
Do outro lado da arena,
Certa cara mascarada
Foca a cena:
Mascarada de silêncio,
De serenidade e enigma.

Bailados e acrobacias,
Amazonas e corcéis,
Músicas, luzes, e cores,
— Não me parecem que existam
Naqueles ouvidos surdos
E naqueles olhos foscos
De lágrimas,
Sangue,
Suores...

Quem é que ali sabe a história
Destes olhos esvaziados.
Dessa testa de sepulcro,
Daqueles lábios selados?

Porque está ali essa máscara,
Sozinha na multidão,
Fechada no seu caixão
De solidão e silêncio?...

E ai, minha mãe e meu pai!,
Todos que me quereis... ai
Que eu sou também, afinal,
Todo esse frio mortal...!

... Porque eu sou tudo!, — afinal.

E, mais do que bailarino,
Clown, acrobata, menino,
Bêbado ou esfinge, sou
A terra,
O chão que eles pisam,
E o pó que sobe e os envolve...
Moro lá em baixo, enterrado,
Muito lá em baixo!, e calado.
Pairo por cima ondulando,
Ando
No ar
Espalhado...

Ai!, a vida!

Que a vida não tem limites,
E quem vive não tem paz,
Menino, por mais que sonhes!,
Por mais que desejes, bêbado!,
Palhaço, por mais que grites!,
Por ais que vás, acrobata!,
Por mais que vás...!

Ai!, a vida!

... Assim, me surge tão bela,
Tão digna de ser vivida,
Sorvida
Até se esgotar,
Que eu sei que é faminto dela
Que me hei-de matar.


José Régio, in As Encruzilhadas de Deus 





Galeria 
de
 Ernst Ludwig Kirchner

 
Ernst Ludwig Kirchner, Berlin Street Scene, 1913
 


Ernst Ludwig Kirchner, Street, Berlin (1913)
One of a series on this theme, depicting prostitutes 
 
 

Ernst Ludwig Kirchner, Potsdamer Platz, 1914 



Ernst Ludwig Kirchner, Brandenburger Tor, 1915



Ernst Ludwig Kirchner, Self-portrait as a Sick Person, 1918



Ernst Ludwig Kirchner, Two Brothers, 1921
 
 
 
Ernst Ludwig Kirchner, View of Basel and the Rhine, 1921
 


Ernst Ludwig Kirchner, Snowy landscape, 1930
 


Ernst Ludwig Kirchner, Violett House in Front of a Snowy Mountain, 1938


sábado, 22 de fevereiro de 2014

"Divina Comédia" - Poema de Antero de Quental


Paula Rego, Anjo (Angel), 1998



Divina Comédia


Erguendo os braços para o céu distante
E apostrofando os deuses invisíveis,
Os homens clamam: — «Deuses impassíveis,
A quem serve o destino triunfante,

Porque é que nos criastes?! Incessante
Corre o tempo e só gera, inextinguíveis,
Dor, pecado, ilusão, lutas horríveis,
N'um turbilhão cruel e delirante...

Pois não era melhor na paz clemente
Do nada e do que ainda não existe,
Ter ficado a dormir eternamente?

Porque é que para a dor nos evocastes?»
Mas os deuses, com voz inda mais triste,
Dizem: — «Homens! Por que é que nos criastes?!»



Antero de Quental,
"In Sonetos", 1861


Paula Rego, Poleiro (Perch), 1997



"Aqui as praias são amplas e belas, e por elas me passeio ou me estendo ao sol com a voluptuosidade que só conhecem os poetas e os lagartos adoradores da luz."


 (O período que viveu em Vila do Conde foi considerado pelo poeta o melhor período da sua vida.)



Antero de Quental


Antero de Quental é entre nós o grande criador de uma poesia filosófica romântica, influenciada pelos modelos alemães. Nasce em Ponta Delgada, no seio de uma família nobre e com tradições literárias da ilha de S. Miguel. Em 1852, vai para Lisboa estudar no Colégio do Pórtico, fundado por António Feliciano de Castilho, com quem já aprendera francês e latim em Ponta Delgada, entre 1847 e 1850. Um ano depois regressa a S. Miguel, de onde partirá em 1855 para Coimbra, a fim de fazer os estudos preparatórios para o ingresso na Universidade. Aos dezasseis anos, inicia o curso de Direito. Durante a sua permanência em Coimbra, assume-se como uma figura influente no meio estudantil coimbrão, tomando parte em várias manifestações académicas. É por esta altura que contacta com os novos autores e correntes europeias - o socialismo utópico de Proudhon, o positivismo de Comte, o hegelianismo, o darwinismo, as doutrinas de Taine, Michelet, Renan, o romantismo social de Hugo - e, segundo confessará mais tarde, perde a fé. Em 1861, publica em edição limitada os Sonetos de Antero, obra dedicada ao poeta João de Deus, e, dois anos depois, os poemas Beatrice e Fiat Lux. Em 1865, publica as Odes Modernas, poesias de romantismo social, acompanhadas de uma "Nota sobre a Missão Revolucionária da Poesia". Em resposta à reação crítica de Castilho na carta-posfácio ao Poema da Mocidade, de Pinheiro Chagas, publica os opúsculos Bom Senso e Bom Gosto e A Dignidade das Letras e as Literaturas Oficiais, que desencadearam a Questão Coimbrã. Ainda no contexto da Questão Coimbrã, bate-se em duelo com Ramalho Ortigão, de quem viria a tornar-se amigo. Decide aprender o ofício de tipógrafo, primeiro em Lisboa e depois em Paris, onde conhece Michelet e lhe oferece um exemplar das Odes Modernas. Regressado a Lisboa em 1868, e depois de uma curta viagem à América do Norte, reúne-se com os seus antigos condiscípulos de Coimbra no "Cenáculo", grupo onde se discutem as doutrinas recentes e se descobrem os novos poetas (Baudelaire, Gautier, Nerval, Leconte de Lisle e o redescoberto Heine); fruto destes encontros, criação coletivada Geração de 70, nasce o poeta satânico e dândi Carlos Fradique Mendes. Em 1871, organiza as Conferências Democráticas do Casino Lisbonense, proferindo as duas primeiras, O Espírito das Conferências e Causas da Decadência dos Povos Peninsulares. No rescaldo da interrupção e da proibição das Conferências, consideradas subversivas pelo Governo, Antero vive a sua fase política mais intensa, fundando, com José Fontana, a I Internacional Operária em Portugal e também o jornal O Pensamento Social. Por esta altura, publica as primaveras Românticas e as Considerações sobre a Filosofia da História Literária Portuguesa. A partir de 1873, manifestam-se-lhe os primeiros sintomas de uma grave doença nervosa, que as mortes próximas da mãe e do pai acentuam, que o leva a consultar em Paris o famoso neurologista Charcot e a submeter-se, entre 1877 e 1878, a tratamentos de hidroterapia. Em 1875, publica uma segunda edição das Odes Modernas, atenuando-lhes o cunho revolucionário. Em 1880, adota duas órfãs, filhas do amigo e antigo colega de Coimbra Germano Meireles. Nessa altura, devido à doença, isola-se em Vila do Conde, continuando a escrever sonetos e ensaios filosóficos. Em 1886, publica os Sonetos Completos e o ensaio A Filosofia da Natureza dos Naturalistas. Em 1887, redige a célebre carta autobiográfica a Wilhelm Storck, seu tradutor alemão. Em 1890, publica o estudo filosófico Tendências Gerais da Filosofia na Segunda Metade do Século XIX. No mesmo ano, em virtude do Ultimato inglês, regressa temporariamente à atividade pública, aceitando a presidência da efémera "Liga Patriótica do Norte". Em 1891,suicida-se em Ponta Delgada.

Antero de Quental. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [Consult. 2014-02-22].



O Grupo dos Cinco: Eça de Queiroz, Oliveira Martins, Antero de Quental, Ramalho Ortigão e Guerra Junqueiro - Porto, Palácio de Cristal, 1884


segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Pensar é encher-se de tristeza... Poema de Ana Hatherly


Ana Hatherly, O mar que se quebra (1998)
Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian.

 
Pensar é encher-se de tristeza

To think is to be full of sorrow
J. Keats, Ode to a nightgale


 
Pensar é encher-se de tristeza
e quando penso
não em ti
mas em tudo
sofro

Dantes eu vivia só
agora vivo rodeada de palavras
que eu cultivo
no meu jardim de penas

Eu sigo-as
e elas seguem-me:
são o exigente cortejo
que me persegue

Em toda a parte
ouço seu imenso clamor

 
Ana Hatherly
(O pavão negro, 2003, Assírio & Alvim)
 
 
 
Ana Hatherly, O fantasma do papagaio de papel
 

 
O Significado da Memória
 
 
A memória é essa claridade fictícia das sobreposições que se anulam. O significado é essa espécie de mapa das interpretações que se cruzam como cicatrizes de sucessivas pancadas. Os nossos sentimentos. A intensidade do sentir é intolerável. Do sentir ao sentido do sentido ao significado: o que resta é impacto que substitui impacto - eis a invenção.

 
Ana Hatherly, in 'A Cidade das Palavras' 
 
 
 
Obra de Ana Hatherly 
 
 
 
«O poeta, como emblema do criador, persegue todos os símbolos, todos os vestígios, ou seja, toda a memória que corre no seu sangue, e para além do espelho inventa o inaudito».


Ana Hatherly, in  entrevista  publicada no Diário de Notícias



terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

"Março voltou" - Poema de Eugénio de Andrade


The Milk Maid by Winslow Homer, 1878



Março voltou


Março voltou, esta 
ácida loucura de pássaros 
está outra vez à nossa porta, 
o ar 
de vidro vai direito ao coração. 

Também elas cantam, as montanhas: 
somente nenhum de nós 
as ouve, distraídos 
com o monótono silabar do vento 
ou doutros peregrinos. 

Já sabeis como temos ainda restos 
de pudor,
e pelo mundo 
uma enorme, enorme indiferença.


Branco no branco
 (1984)


Winslow Homer, On the Stile, c. 1878
(Watercolor, gouache and graphite on wove paper)


"Amar alguém ou alguma coisa é primacialmente instalá-lo num clima de plena liberdade, com todos os riscos que a liberdade comporta: desejar é limitar na liberdade; a nós e aos outros."


segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

"Sobre outros Lábios" - Poema de Eugénio de Andrade





Sobre outros Lábios


Eu crescia para o verão 
para a água 
antiquíssima da cal 
crescia violento e nu. 

Podiam ver-me crescer 
rente ao vento 
podiam ver-me em flor, 
exasperado e puro. 

À beira do silêncio, 
eu crescia para o ardor 
calcinado dos cardos 
e da sede. 

Morre-se agora 
entre contínuas chuvas, 
os lábios só lembrados 
de um verão sobre outros lábios.


Eugénio de Andrade





“As palavras não significam nada se não forem recebidas como um eco da vontade de quem as ouve.”


(Agustina Bessa-Luís)




“O que é um poeta, afinal? Uma intacta opressão da alma.”


(Agustina Bessa-Luís)




“A melhor impressão que a poesia nos pode dar é esta: ficar de coração vagabundo, deixando a vareja estalar na janela as asas grossas, e não dar por isso, como um cão surdo.”


(Agustina Bessa-Luís)





“Nada se aprende das recordações; são um manjar frio que só os gulosos devoram.”

(Agustina Bessa-Luís)



Agustina Bessa-Luís
Foto: Adriano Miranda ("Público")


Escritora portuguesa, Maria Agustina Ferreira Teixeira Bessa-Luís nasceu a 15 de outubro de 1922, em Vila Meã, Amarante. O Douro, onde viveu a sua infância e aonde, durante a adolescência, volta durante as férias escolares, marcará indelevelmente o seu imaginário romanesco. Começou a escrever muito cedo, ainda na adolescência, mas publicou a sua primeira obra de ficção, a novela Mundo Fechado, apenas em 1948. Nessa altura já estava casada e a viver em Coimbra. A partir de 1950 fixou residência no Porto, onde publica o seu primeiro romance, os Super-Homens.
Embora sempre ligada à produção literária, exerceu o cargo de Diretora do jornal O Primeiro de janeiro e depois de Diretora do Teatro Nacional D. Maria II. Pertenceu à Academia de Ciências de Lisboa, Classe das Letras, tornou-se membro da Alta Autoridade para a Comunicação Social, da Academie Européenne des Sciences, des Arts et des Lettres de Paris e da Academia Brasileira de Letras.
As suas obras revelam uma profunda reflexão sobre a condição humana. É o caso do romance A Sibila (1954), que obteve um êxito considerável, tendo sido objeto de sucessivas edições e vários prémios, como o Prémio Delfim Guimarães (1953) e o Prémio Eça de Queirós (1954), que a consagra como nome cimeiro da novelística contemporânea.
Tendo merecido desde as suas primícias o reconhecimento de autores e críticos como José Régio, Óscar Lopes, Eugénio de Andrade, Vitorino Nemésio ou Jorge de Sena, a sua obra viria a ser distinguida com os mais importantes prémios literários nacionais: Prémio Nacional de Novelística, em 1967; Prémio Ricardo Malheiros da Academia das Ciências de Lisboa, em 1966 e em 1977, Prémio PEN Clube e D. Dinis, em 1980, Grande Prémio do Romance e da Novela da Associação Portuguesa de Escritores, em 1984 e Prémio Cidade do Porto. Os vários romances publicados por Agustina entre os anos cinquenta e oitenta, onde, predominantemente, a terra duriense, espaço mítico e cosmogónico, serve de palco para o desnovelar de "gestos e histórias de criaturas que a romancista colhe sempre em estado de autodestruição" e onde só "as criaturas apoiadas no obscuro e no indisputável de tradições ou carácter, gémeas da presença opaca da Terra, conservam o dom de resistir ao lento esfarelamento da sua realidade" (LOURENÇO, Eduardo, op. cit., pp. 170-171), e ao longo dos quais se afina a acuidade com que se compraz "em destruir as mil máscaras que permitem existir", num "furor de julgar e surpreender até o avesso das intenções" (id. ibi., pp. 166-167), dificulta qualquer tentativa de divisão da sua vastíssima obra romanesca em "fases" ou "momentos".
Entre os caracteres definidores que têm vindo a ser atribuídos à torrencial obra romanesca de Agustina Bessa-Luís, o de neorromantismo talvez seja o mais recorrente, epíteto, aliás, inaugurado por Eduardo Lourenço, ao considerar que "pela poderosa vaga de fundo que agita ao integrar-se de corpo e alma a um mais geral movimento da imaginação a braços com riquezas e terrores que são, em parte, os da vida, pela espécie de viagem no mundo interior de mundos mais visivelmente iluminados por uma luz crepuscular que pelos "amanhãs que cantam", pela busca ou contemplação de realidades extáticas no coração do que muda ou de guardiães do que é sempre igual, estas novas terras romanescas entreabertas pela passagem de Sibila bem podem receber o nome de neorromânticas." (LOURENÇO, Eduardo, op. cit., p. 162). Abrindo uma grande linhagem na novelística da segunda metade do século XX, para Silvina Rodrigues Lopes, "A especificidade do romance de Agustina Bessa-Luís pertence à afirmação decisiva da impureza do romance, que é o romance como crise permanente, desencadeada pela manifestação de uma avalancha incontrolada de acontecimentos e reflexões que o indivíduo não domina mas recebe, das múltiplas realizações da linguagem, literárias e orais", ao mesmo tempo que, "na relação com uma essência da épica, que é a memória, não admira que o ritmo desta escritora seja um ritmo pessoal, determinável pela memória própria e por uma relação com a memória dos outros, através de uma atenção ao saber, hábitos, ritos ou lendas da tradição, e de uma atenção ao memorizável, cuja condição é, no entanto, o esquecimento, a possibilidade de repetir em interpretações inéditas." (LOPES, Silvina Rodrigues - Agustina Bessa-Luís - As Hipóteses do Romance, Porto, Asa, s/l, 1992, p. 21).
Prosseguindo a rota desconcertante encetada no início dos anos 50, ao longo de uma obra com já mais de cinco dezenas de títulos, e que se multiplica, de forma multímoda, entre a ficção, o teatro, a crónica, os guiões, a literatura infantil, a bibliografia ficcional de Agustina integra ainda uma série de ensaios romanescos de inspiração histórico-biográfica, como Santo António, Florbela Espanca, Fanny Owen (resultado de um trabalho de pesquisa, fundado em montagens sobre textos de Camilo), Sebastião José, Longos Dias Têm Cem Anos - Presença de Vieira da Silva, Adivinhas de Pedro e Inês, Um Bicho da Terra, A Monja de Lisboa, Martha Telles ou As Meninas, tendo este último sido escrito juntamente com Paula Rego.
Publicou ainda, entre muitos outros títulos, O Manto (1966), Canção diante de Uma Porta Fechada (1966), As Fúrias (1977), O Mosteiro (1981), que ganhou o prémio D. Dinis da Casa de Mateus, e Os Meninos de Ouro (1983), que recebeu o Prémio da Associação Portuguesa de Escritores. O conjunto da sua obra mereceu o Prémio Nacional de Novelística, em 1967, e o Prémio União Latina, em 1997. Vários dos seus romances (entre eles Fanny Owen, de 1979) foram adaptados ao cinema por Manoel de Oliveira. Em maio de 2002, recebeu pela segunda vez o Prémio da Associação Portuguesa de Escritores relativo ao ano de 2001, atribuído à obra Joia de Família (2001). Esta sua obra também foi adaptada ao cinema por Manoel de Oliveira, dando origem ao filme O Princípio da Incerteza. Na sequência da triologia literária iniciada com esta obra, a autora, em 2002, editou um novo romance, desta vez com o título A Alma dos Ricos.
Agustina Bessa-Luís foi distinguida com os prémios Vergílio Ferreira 2004, atribuído pela Universidade de Évora, pela sua carreira como ficcionista, e o Prémio Camões 2004. Nesse mesmo ano, 2004, editou mais uma obra, com o título Antes do Degelo.
A 22 de março de 2005 foi distinguida, juntamente com o poeta Eugénio de Andrade, com o doutoramento "Honoris Causa", atribuído pela Universidade do Porto durante a cerimónia do 94.º aniversário da sua fundação.

Agustina Bessa-Luís. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [Consult. 2014-02-10].

domingo, 9 de fevereiro de 2014

O Dia Deu em Chuvoso... Poema de Álvaro de Campos





O Dia Deu em Chuvoso


O dia deu em chuvoso.
A manhã, contudo, esteve bastante azul.
O dia deu em chuvoso.
Desde manhã eu estava um pouco triste.

Antecipação! Tristeza? Coisa nenhuma?
Não sei: já ao acordar estava triste.
O dia deu em chuvoso.

Bem sei, a penumbra da chuva é elegante.
Bem sei: o sol oprime, por ser tão ordinário, um elegante.
Bem sei: ser susceptível às mudanças de luz não é elegante.
Mas quem disse ao sol ou aos outros que eu quero ser elegante?
Dêem-me o céu azul e o sol visível.
Névoa, chuvas, escuros — isso tenho eu em mim.

Hoje quero só sossego.
Até amaria o lar, desde que o não tivesse.
Chego a ter sono de vontade de ter sossego.
Não exageremos!
Tenho efetivamente sono, sem explicação.
O dia deu em chuvoso.

Carinhos? Afetos? São memórias...
É preciso ser-se criança para os ter...
Minha madrugada perdida, meu céu azul verdadeiro!
O dia deu em chuvoso.

Boca bonita da filha do caseiro,
Polpa de fruta de um coração por comer...
Quando foi isso? Não sei...
No azul da manhã...

O dia deu em chuvoso.


Álvaro de Campos, in "Poemas"
Heterónimo de Fernando Pessoa
 
 
 
 

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

"Não há vício que se não esconda atrás de boas razões" - Séneca, in 'Cartas a Lucílio'


Quinta versão: 1894-95, óleo sobre tela, 47.5 × 57 cm. Musée d'Orsay, Paris.



Não há vício que se não esconda atrás de boas razões


"Não há vício que se não esconda atrás de boas razões; a princípio, todos são aparentemente modestos e aceitáveis, só que a pouco e pouco vão-se expandindo. Não conseguirás pôr fim a um vício se deixares que ele se instale. Toda a paixão é ligeira de início; depois vai-se intensificando, e à medida que progride vai ganhando forças. É mais difícil libertarmo-nos de uma paixão do que impedir-lhe o acesso. Ninguém ignora que todas as paixões decorrem de uma tendência, por assim dizer, natural. A natureza confiou-nos a tarefa de cuidar de nós próprios, mas, se formos demasiado complacentes, o que era tendência torna-se vício. Aos atos necessários juntou a natureza o prazer, não para que fizéssemos deste a nossa finalidade mas apenas para nos tornar mais agradáveis aquelas coisas sem as quais é impossível a existência. Se o procuramos por si mesmo, caímos na libertinagem. Resistamos, portanto, às paixões quando elas se aproximam, já que, conforme disse, é mais fácil não as deixar entrar do que pô-las fora."


Séneca, in 'Cartas a Lucílio' 



Vida e Obra 

Paul Cézanne, Self-Portrait with Pink Background, 1875
(Portrait de l'artiste au fond rose). Coleção privada



"A pintura deve nos dar o sabor da eternidade da natureza". 


(Paul Cézanne)



Paul Cézanne, Autoportrait, 1898-1900.
  Museu de Belas Artes de Boston


Paul Cézanne, pintor pós-impressionista francês, nasceu a 18 de janeiro de 1839, em Aix-en-Provence, no sul de França, e morreu a 22 de outubro de 1906, na sua cidade natal. Filho de pais abastados, estudou em Aix - onde conheceu e se tornou amigo de Émile Zola e em Paris, onde teve os primeiros contactos com artistas impressionistas como Camille Pissarro e Henri Matisse.
A maturidade artística de Cézanne foi lenta. Embora não recusasse os aperfeiçoamentos alcançados no domínio da pintura, e designadamente na cor, pelos impressionistas, não se sentia atraído, como Edgar Degas ou Claude Monet, por exemplo, pela captação de um momento fugaz. Procurou assim combinar as suas conceções sobre a cor com uma estrutura mais sólida do espaço pictórico. A composição da Natureza Morta com Cesto (1888-1890), nas suas numerosas versões, tomou alguns anos de estudo. Tentou sugerir o volume, não através de jogos de luz, como era de tradição desde Giotto, mas usando a própria cor. As diferentes tonalidades fazem avançar e recuar o espaço, o que permite estabelecer uma sucessão de planos que modelam as massas dos objetos. Nas versões de A Montanha de Santa Vitória, retirou da paisagem os elementos necessários de modo a formar uma "arquitetura", uma composição estruturada que propõe um todo coerente. 
Aplicou os mesmos princípios à figura humana em As Grandes Banhistas (1898-1905), constituindo uma composição geométrica - as árvores estabelecem um esquema triangular juntamente com o grupo de banhistas e os dois grupos de mulheres formam dois novos triângulos dentro do anterior. As próprias banhistas veem as suas formas estilizadas e geometrizadas, tal como um tronco de árvore na montanha de Santa Vitória ou uma maçã nas naturezas mortas. 
Cézanne baseou a sua busca num postulado: o de submeter os dados do real ao objetivo da pintura e não o contrário. Aqui começa toda a aventura da arte moderna, que passa pela integração da natureza fundamental do objeto e das virtualidades pictóricas que esse objeto encerra. O mesmo é dizer, vê-lo não na sua particularidade, mas na sua essência.

Paul Cézanne. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [Consult. 2014-02-05].



Paul Cézanne, Retrato de Louis-Auguste Cézanne, pai do artista, lendo ‘L’Evénement’, 1886.
National Gallery of Art, Washington


"Como pintor, torno-me mais lúcido quando confrontado com a Natureza."


(Paul Cézanne)




Paul Cézanne, Madame Cézanne (Hortense Fiquet, 1850–1922)
in a Red Dress (1888-90)
, oil on canvas, 116.5 x 89.5 cm,
The Metropolitan Museum of Art, New York



"A cor é o lugar onde nosso cérebro e o universo se encontram".

(Paul Cézanne)



Paul Cézanne, The Overture to Tannhäuser: The Artist's Mother and Sister, 1868
Hermitage Museum, St. Petersburg



 
Paul Cézanne, Paul Alexis reading to Émile Zola, 1869–1870.
São Paulo Museum of Art



Paul Cézanne, Jas de Bouffan, 1876


Paul Cézanne, Portrait of Madame Cézanne with Loosened Hair, 1883-1887


 
Paul Cézanne, Femme au Chapeau Vert
(Woman in a Green Hat. Madame Cézanne.) 1894–1895




Paul Cézanne, Les Grandes Baigneuses, 1898–1905
The triumph of Poussinesque stability and geometric balance



Paul Cézanne, Lady in Blue, 1904


List of paintings by Paul Cézanne
Paul Cezanne - The complete works
Wikipédia

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Lamento para a língua portuguesa... Poema de Vasco Graça Moura


Rio Douro, Porto, Portugal - Foto de Carlos Fonseca



 Lamento para a língua portuguesa


não és mais do que as outras, mas és nossa,
e crescemos em ti. nem se imagina
que alguma vez uma outra língua possa
pôr-te incolor, ou inodora, insossa,
ser remédio brutal, mera aspirina,
ou tirar-nos de vez de alguma fossa,
ou dar-nos vida nova e repentina.
mas é o teu país que te destroça,
o teu próprio país quer-te esquecer
e a sua condição te contamina
e no seu dia-a-dia te assassina.
mostras por ti o que lhe vais fazer:
vai-se por cá mingando e desistindo,
e desde ti nos deitas a perder
e fazes com que fuja o teu poder
enquanto o mundo vai de nós fugindo:
ruiu a casa que és do nosso ser
e este anda por isso desavindo
connosco, no sentir e no entender,
mas sem que a desavença nos importe
nós já falamos nem sequer fingindo
que só ruínas vamos repetindo.
talvez seja o processo ou o desnorte
que mostra como é realidade
a relação da língua com a morte,
o nó que faz com ela e que entrecorte
a corrente da vida na cidade.
mais valia que fossem de outra sorte
em cada um a força da vontade
e tão filosofais melancolias
nessa escusada busca da verdade,
e que a ti nos prendesse melhor grade.
bem que ao longo do tempo ensurdecias,
nublando-se entre nós os teus cristais,
e entre gentes remotas descobrias
o que não eram notas tropicais
mas coisas tuas que não tinhas mais,
perdidas no enredar das nossas vias
por desvairados, lúgubres sinais,
mísera sorte, estranha condição,
mas cá e lá do que eras tu te esvais,
por ser combate de armas desiguais.
matam-te a casa, a escola, a profissão,
a técnica, a ciência, a propaganda,
o discurso político, a paixão
de estranhas novidades, a ciranda
de violência alvar que não abranda
entre rádios, jornais, televisão.
e toda a gente o diz, mesmo essa que anda
por tal degradação tão mais feliz
que o repete por luxo e não comanda,
com o bafo de hienas dos covis,
mais que uma vela vã nos ventos panda
cheia do podre cheiro a que tresanda.
foste memória, música e matriz
de um áspero combate: apreender
e dominar o mundo e as mais subtis
equações em que é igual a xis
qualquer das dimensões do conhecer,
dizer de amor e morte, e a quem quis
e soube utilizar-te, do viver,
do mais simples viver quotidiano,
de ilusões e silêncios, desengano,
sombras e luz, risadas e prazer
e dor e sofrimento, e de ano a ano,
passarem aves, ceifas, estações,
o trabalho, o sossego, o tempo insano
do sobressalto a vir a todo o pano,
e bonanças também e tais razões
que no mundo costumam suceder
e deslumbram na só variedade
de seu modo, lugar e qualidade,
e coisas certas, inexactidões,
venturas, infortúnios, cativeiros,
e paisagens e luas e monções,
e os caminhos da terra a percorrer,
e arados, atrelagens e veleiros,
pedacinhos de conchas, verde jade,
doces luminescências e luzeiros,
que podias dizer e desdizer
no teu corpo de tempo e liberdade.
agora que és refugo e cicatriz
esperança nenhuma hás-de manter:
o teu próprio domínio foi proscrito,
laje de lousa gasta em que algum giz
se esborratou informe em borrões vis.
de assim acontecer, ficou-te o mito
de haver milhões que te uivam triunfantes
na raiva e na oração, no amor, no grito
de desespero, mas foi noutro atrito
que tu partiste até as próprias jantes
nos estradões da história: estava escrito
que iam desconjuntar-te os teus falantes
na terra em que nasceste, eu acredito
que te fizeram avaria grossa.
não rodarás nas rotas como dantes,
quer murmures, escrevas, fales, cantes,
mas apesar de tudo ainda és nossa,
e crescemos em ti. nem imaginas
que alguma vez uma outra língua possa
pôr-te incolor, ou inodora, insossa,
ser remédio brutal, vãs aspirinas,
ou tirar-nos de vez de alguma fossa,
ou dar-nos vidas novas repentinas.
enredada em vilezas, ódios, troça,
no teu próprio país te contaminas
e é dele essa miséria que te roça.
mas com o que te resta me iluminas.


Vasco Graça Moura
, in "Antologia dos Sessenta Anos"
 
 
 
 

Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, Vasco Graça Moura, exerceu a advocacia, foi Secretário de Estado em dois governos provisórios, desempenhou funções administrativas na RTP, na Imprensa Nacional - Casa da Moeda e na Comissão Para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Tradutor de poesia de mérito reconhecido (Shakespeare, Enzensberger, Gottfried Benn, Dante), tem-se notabilizado pela qualidade de ensaísta e de crítico literário. A sua obra poética, beneficiando do intercâmbio com a atividade de tradução e crítica poética, distingue-se pelo hermetismo que decorre da confluência de diversas poéticas, como as clássicas, atualizadas pela inovação sintática e pela diversificação temática (que não rejeita a referência social modalizada pela ironia), parecendo compor esse discurso engenhoso um "elemento distanciador do fervor do sentimento. (...) Ou o filtro pelo qual o sentimento é decantado das suas razões exacerbadas, deixando à pureza do ato estético a escolha fria e cerebral do pathos estritamente necessário à realização equilibrada do poema" (cf. MARTINS, Manuel Frias - Sombras e Transparências da Literatura, 1983, p. 86). Como ficcionista, estreou-se com Quatro Últimas Canções, num suporte narrativo que, por detrás da utilização de "ingredientes, vozes e técnicas da composição tradicional" ("Nota do Autor", 1987), coloca as quatro personagens principais sobre um eixo musical composto por "uma polifonia discreta, manipulada por várias surdinas", e impõe a cada uma um registo dramático próprio, recriando o conjunto dos seus encontros e desencontros, a atmosfera das "Quatro Últimas Canções" de Richard Strauss.

Vasco Graça Moura. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [Consult. 2014-02-01].
 


Rio Douro, Porto, Portugal 
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...