sábado, 1 de fevereiro de 2014

Lamento para a língua portuguesa... Poema de Vasco Graça Moura


Rio Douro, Porto, Portugal - Foto de Carlos Fonseca



 Lamento para a língua portuguesa


não és mais do que as outras, mas és nossa,
e crescemos em ti. nem se imagina
que alguma vez uma outra língua possa
pôr-te incolor, ou inodora, insossa,
ser remédio brutal, mera aspirina,
ou tirar-nos de vez de alguma fossa,
ou dar-nos vida nova e repentina.
mas é o teu país que te destroça,
o teu próprio país quer-te esquecer
e a sua condição te contamina
e no seu dia-a-dia te assassina.
mostras por ti o que lhe vais fazer:
vai-se por cá mingando e desistindo,
e desde ti nos deitas a perder
e fazes com que fuja o teu poder
enquanto o mundo vai de nós fugindo:
ruiu a casa que és do nosso ser
e este anda por isso desavindo
connosco, no sentir e no entender,
mas sem que a desavença nos importe
nós já falamos nem sequer fingindo
que só ruínas vamos repetindo.
talvez seja o processo ou o desnorte
que mostra como é realidade
a relação da língua com a morte,
o nó que faz com ela e que entrecorte
a corrente da vida na cidade.
mais valia que fossem de outra sorte
em cada um a força da vontade
e tão filosofais melancolias
nessa escusada busca da verdade,
e que a ti nos prendesse melhor grade.
bem que ao longo do tempo ensurdecias,
nublando-se entre nós os teus cristais,
e entre gentes remotas descobrias
o que não eram notas tropicais
mas coisas tuas que não tinhas mais,
perdidas no enredar das nossas vias
por desvairados, lúgubres sinais,
mísera sorte, estranha condição,
mas cá e lá do que eras tu te esvais,
por ser combate de armas desiguais.
matam-te a casa, a escola, a profissão,
a técnica, a ciência, a propaganda,
o discurso político, a paixão
de estranhas novidades, a ciranda
de violência alvar que não abranda
entre rádios, jornais, televisão.
e toda a gente o diz, mesmo essa que anda
por tal degradação tão mais feliz
que o repete por luxo e não comanda,
com o bafo de hienas dos covis,
mais que uma vela vã nos ventos panda
cheia do podre cheiro a que tresanda.
foste memória, música e matriz
de um áspero combate: apreender
e dominar o mundo e as mais subtis
equações em que é igual a xis
qualquer das dimensões do conhecer,
dizer de amor e morte, e a quem quis
e soube utilizar-te, do viver,
do mais simples viver quotidiano,
de ilusões e silêncios, desengano,
sombras e luz, risadas e prazer
e dor e sofrimento, e de ano a ano,
passarem aves, ceifas, estações,
o trabalho, o sossego, o tempo insano
do sobressalto a vir a todo o pano,
e bonanças também e tais razões
que no mundo costumam suceder
e deslumbram na só variedade
de seu modo, lugar e qualidade,
e coisas certas, inexactidões,
venturas, infortúnios, cativeiros,
e paisagens e luas e monções,
e os caminhos da terra a percorrer,
e arados, atrelagens e veleiros,
pedacinhos de conchas, verde jade,
doces luminescências e luzeiros,
que podias dizer e desdizer
no teu corpo de tempo e liberdade.
agora que és refugo e cicatriz
esperança nenhuma hás-de manter:
o teu próprio domínio foi proscrito,
laje de lousa gasta em que algum giz
se esborratou informe em borrões vis.
de assim acontecer, ficou-te o mito
de haver milhões que te uivam triunfantes
na raiva e na oração, no amor, no grito
de desespero, mas foi noutro atrito
que tu partiste até as próprias jantes
nos estradões da história: estava escrito
que iam desconjuntar-te os teus falantes
na terra em que nasceste, eu acredito
que te fizeram avaria grossa.
não rodarás nas rotas como dantes,
quer murmures, escrevas, fales, cantes,
mas apesar de tudo ainda és nossa,
e crescemos em ti. nem imaginas
que alguma vez uma outra língua possa
pôr-te incolor, ou inodora, insossa,
ser remédio brutal, vãs aspirinas,
ou tirar-nos de vez de alguma fossa,
ou dar-nos vidas novas repentinas.
enredada em vilezas, ódios, troça,
no teu próprio país te contaminas
e é dele essa miséria que te roça.
mas com o que te resta me iluminas.


Vasco Graça Moura
, in "Antologia dos Sessenta Anos"
 
 
 
 

Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, Vasco Graça Moura, exerceu a advocacia, foi Secretário de Estado em dois governos provisórios, desempenhou funções administrativas na RTP, na Imprensa Nacional - Casa da Moeda e na Comissão Para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Tradutor de poesia de mérito reconhecido (Shakespeare, Enzensberger, Gottfried Benn, Dante), tem-se notabilizado pela qualidade de ensaísta e de crítico literário. A sua obra poética, beneficiando do intercâmbio com a atividade de tradução e crítica poética, distingue-se pelo hermetismo que decorre da confluência de diversas poéticas, como as clássicas, atualizadas pela inovação sintática e pela diversificação temática (que não rejeita a referência social modalizada pela ironia), parecendo compor esse discurso engenhoso um "elemento distanciador do fervor do sentimento. (...) Ou o filtro pelo qual o sentimento é decantado das suas razões exacerbadas, deixando à pureza do ato estético a escolha fria e cerebral do pathos estritamente necessário à realização equilibrada do poema" (cf. MARTINS, Manuel Frias - Sombras e Transparências da Literatura, 1983, p. 86). Como ficcionista, estreou-se com Quatro Últimas Canções, num suporte narrativo que, por detrás da utilização de "ingredientes, vozes e técnicas da composição tradicional" ("Nota do Autor", 1987), coloca as quatro personagens principais sobre um eixo musical composto por "uma polifonia discreta, manipulada por várias surdinas", e impõe a cada uma um registo dramático próprio, recriando o conjunto dos seus encontros e desencontros, a atmosfera das "Quatro Últimas Canções" de Richard Strauss.

Vasco Graça Moura. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [Consult. 2014-02-01].
 


Rio Douro, Porto, Portugal 
 

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...