domingo, 10 de janeiro de 2016

"Solilóquio" - Poema de Francisco de Pina e Melo


Anton Melbye, Seascape with sailing ship in rough sea, 1844




Solilóquio


Já que o sol pouco a pouco se desmaia
E meu mal cada vez mais se desvela,
Enquanto a pena, a ânsia, a mágoa vela,
Quero aqui estar sozinho nesta praia.

Que bravo o mar se vê! Como se ensaia
Na fúria e contra os ares se rebela!
Como se enrola! Como se encapela!
Parece quer sair da sua raia.

Mas também que inflexível, que constante
Aquela penha está à força dura
De tanto assalto e horror perseverante!

Ó empolado mar, penha segura,
Sois a imagem mais própria e semelhante
De meu fado e da minha desventura. 


Francisco de Pina e Melo, in 'Rimas' 



Anton Melbye, Ships at sea, 1867



"O navio é uma ilha habitada por homens e os seus fantasmas."

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...