segunda-feira, 17 de agosto de 2015

"Desde a Aurora" - Poema de Eugénio de Andrade


Elizabeth Adela Forbes, The Leaf, 1897-1898, watercolour on paper



Desde a Aurora


Como um sol de polpa escura 
para levar à boca, 
eis as mãos: 
procuram-te desde o chão, 

entre os veios do sono 
e da memória procuram-te: 
à vertigem do ar 
abrem as portas: 

vai entrar o vento ou o violento 
aroma de uma candeia, 
e subitamente a ferida 
recomeça a sangrar: 

é tempo de colher: a noite 
iluminou-se bago a bago: vais surgir 
para beber de um trago 
como um grito contra o muro. 

Sou eu, desde a aurora, 
eu — a terra — que te procuro. 


Eugénio de Andrade, in "Obscuro Domínio



4 Non Blondes - What's Up

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...