segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

"Solidão" - Poema de Mia Couto


Paul Gustav Fischer, The artist painting en plein air, 1889



Solidão


Aproximo-me da noite
o silêncio abre os seus panos escuros
e as coisas escorrem
por óleo frio e espesso

Esta deveria ser a hora
em que me recolheria
como um poente
no bater do teu peito
mas a solidão
entra pelos meus vidros
e nas suas enlutadas mãos
solto o meu delírio

É então que surges
com teus passos de menina
os teus sonhos arrumados
como duas tranças nas tuas costas
guiando-me por corredores infinitos
e regressando aos espelhos
onde a vida te encarou

Mas os ruídos da noite
trazem a sua esponja silenciosa
e sem luz e sem tinta
o meu sonho resigna

Longe
os homens afundam-se
com o caju que fermenta
e a onda da madrugada
demora-se de encontro
às rochas do tempo


in "Raiz de Orvalho e Outros Poemas"



Paul Gustav Fischer - Artists' wife Dagny and daughter Harriet, Date unknown


"A única coisa sem mistério é a felicidade porque ela se justifica por si só." 

(Jorge Luis Borges)



Paul Gustav Fischer - The artist's wife reading at home on Sofievej, Date unknown


"A poesia é algo tão íntimo que não pode ser definida."

(Jorge Luis Borges)



Paul Gustav Fischer - A Good Book, 1905


"Chega-se a ser grande por aquilo que se lê e não por aquilo que se escreve."

(Jorge Luis Borges)



Jorge Francisco Isidoro Luis Borges Acevedo (Buenos Aires, 24 de agosto de 1899 — Genebra, 14 de junho de 1986) foi um escritor, poeta, tradutor, crítico literário e ensaísta argentino.
Sua obra abrange o "caos que governa o mundo e o caráter de irrealidade em toda a literatura". Seus livros mais famosos, Ficciones (1944) e O Aleph (1949), são coletâneas de histórias curtas interligadas por temas comuns: sonhos, labirintos, bibliotecas, escritores fictícios e livros fictícios, religião, Deus. Seus trabalhos têm contribuído significativamente para o género da literatura fantástica. Estudiosos notaram que a progressiva cegueira de Borges ajudou-o a criar novos símbolos literários através da imaginação, já que "os poetas, como os cegos, podem ver no escuro". Os poemas de seu último período dialogam com vultos culturais como Spinoza, Luís de Camões e Virgílio.
O escritor e ensaísta John Maxwell Coetzee disse sobre ele: "Ele, mais do que ninguém, renovou a linguagem de ficção e, assim, abriu o caminho para uma geração notável de romancistas hispano-americanos".


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...